Pacto algum, só
algo de sombra

Quando abri os olhos a primeira coisa que pensei foi contar o sonho para Susan. Então me virei para o lado, e vi que Susan tinha uma substância com jeito pastosa mas já ressequida na beirada da boca, no queixo, manchando o suéter preto. Era um amarelo escuro que o seu organismo tinha expelido durante a noite. Não parecia propriamente um vômito, mas uma secreção mais séria.

A boca estava aberta, a língua à mostra. Tirei os seus óculos escuros. Os olhos escancarados, puro pânico. Recoloquei os óculos imediatamente. Peguei o pulso de Susan, soltei-o, não sabia o que fazer.
João Gilberto Noll. Hotel Atlântico.
******

Poesia de Kalidasa (séc. 4-5 d. C. Índia)
Rtusamhara / O Curso das Estações.
O Outono

Vestido de cana-de açúcar, de encantador
aspecto do florido loto mítico, com deliciosa
ressonância de argolas e grasnido de ganso brincalhão,
esbelto, reverente e gracioso, como um talo
de arroz maduro, chegou o outono, atraente
como uma recém-casada.
Trad.do espanhol por DMC.
******
foto: Cem Yurtserver. Diapositivo 3

Anúncios
Esta entrada foi postada em arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s