um sopro
a viagem: tela viva

Ó solidão, ó solidão , minha pátria ! Tempo demais selvagemente vivi em terras estranhas, para não regressar sem lágrimas. Ameaça-me, pois, agora, com o dedo, como ameaçam as mães, e sorri para mim, como sorriem as mães, e dize logo: “E quem foi que um dia, como um vendaval, fugiu desabaladamente para longe de mim ?”
Friedrich Wilhelm Nietzsche. Assim Falou Zaratustra.

******

Poema de Darlan
ESTEIO

Sabes que não se toma, impune, partido
algum, e que de uma partitura, de uma pá
solta num jardim, de uma bagagem
extraviada, de uma cárie
ou de um argumento sem sujeito
nem advérbios de tempo ou de modo,
de uma gata na parte extrema
do telhado… de tudo isso se faz facção,
sentido para a vigília.
******
imagem: MAPQUEST. Cidade de Montréal

Anúncios
Esta entrada foi postada em arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s