Algo me diz da importância de tudo, da suave passada do vento, porém, algo permanece sob Incógnita.


As paredes eram enfeitadas com monstros macrocéfalos, ovos de avestruz, peixes-gato e fetos em formol; do teto, acreditou adivinhar a carmelita, pendiam víboras secas, perucas eriçadas que simulavam mandrágoras, uma esfera de ouro perfeita, um camaleão albino, uma iguana de seis patas, embora sem nós nem rabo, e o fêmur direito de Adão. Num canto, sobre um tapete branco, com os atributos de Osíris entre as patas dianteiras e almôndegas avermelhadas numa grande bacia verde esmaltada, entretinha-se, arrogante e burlão, o bichano siamês que corroborava as pertinentes suspeitas da religiosa.

SEVERO SARDUY. Colibri.
******

Poema de Darlan

Implícita e explícita, numa só
gota de plasma
teu, irremissível, está a minha
caminhada rumo à ilusão
de nome felicidade – portanto,
sem nada, mas
necessário se faz que eu vá.
******
Recomendo: o trabalho de paciência da professora-pianista Beth Ribeiro, de Paraisópolis, MG, com o coral infanto-juvenil Pequeninos de São Francisco:
http://bethribeiro.multiply.com/music/item/122
http://bethribeiro.multiply.com/music/item/120

Anúncios
Esta entrada foi postada em arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s