DAS DIETAS

despudoradas comemos umas e outras assim e assado recomeçam as danças pondo ventania qualquer nas ancas e soltando verbos e jóias com o bracelete de cada abraço, ah, Consegues ? Consigo, sim, morrer assim é tão grácil, cópia daquela chamada pequena morte, e por aí vai e vamos juntos e distantes feito a melodia onde já nos achamos e nos perdemos pelas plantas dos pés as formigas sobem e fazem arruaças com mil e um açoites até que desérticas as ruas e deserdada a invenção do medo sobre as vontades, já que somos mesmo do azar, então, vem e sobe na vida que a vida é degrau e é nossa a Escada Natural, ai ai ai, que bom morrer num outono assim sempre gemendo primaveras nos sertões também no inverno a gente se ajeita um no outro, até melhor, sim, morrer é invenção de filósofos, vamos lá, meu bem, minha flor, meu moinho de vento, meu escaravelho de ouro, minha canção do exílio, olhai os delírios do campo…
(DMC)
******

poema de Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844-1900)

És um escravo ? Então, não podes ser amigo. És um tirano ?
Então, não podes ter amigos.
Tempo demais esteve escondido na mulher um escravo e
um tirano. Por isso, ainda não é a mulher capaz de amizade:
conhece só o amor.
Há, no amor da mulher, injustiça e cegueira por tudo o
que ela não ama. E, mesmo no amor esclarecido da mulher,
ainda há a agressão e o corisco e a noite, ao lado da luz.

Assim Falou Zaratustra
Primeira Parte, Os Discursos de Zaratustra, Do amigo.

Anúncios
Esta entrada foi postada em arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s