Contos da minha casa – 6

É mais do que triste o fato de alguém visitar a mãe e ela já não ser, de certo modo, aquela que se conhece, se ela já não fala nada, entranhada num mundo não entendido, nunca alcançado pela neurologia, pela psicanálise e, muito menos, por religião nenhuma. Assim é o ‘mundo Alzheimer’.

É mais do que trágico haver gente que tem a cor da tristeza estampada, há pessoas incapazes de sofrer, de morrer com calma, ou sozinhas, pessoas de todo tipo, incapazes ou não

de amar o comum, de desamar o comum, e tu pensas em todas estas coisas e noutras também, enquanto vais à casa da tua mãe (tu moras longe, sempre longe, cada vez mais longe da mãe, quando não de ti mesmo, ou de ti mesma), e a tua mãe está inválida, requer extremos cuidados

extrema paixão de quem a rodeia, a tua mãe vive com o pulso dos que ardem tão de leve que não há como saber se viva ou morta está, e tu então vês pela primeira vez como é tão precário o existir, o quão tíbios somos, percebes que a fortaleza que era a tua mais amada das pessoas

já não consegue banhar-se nem alimentar-se sozinha, necessita de quem a livre das roupas eventualmente sujas de comida ou de fezes, sim, a vida é breve e triste para muitíssimas criaturas around the world…

*****
foto:~fb~, no FLICKR

Anúncios
Esta entrada foi postada em arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s