“E a dor tem sempre caminhos mais longos.” (CECÍLIA MEIRELES)

*****

“Mas a Alegria também os tem muito longos e duráveis.” DMC

UM COPO DE CÉU: DE SABARÁ PARA O MUNDO.


O dia 22 de novembro, resolvi passá-lo em Sabará – aonde eu não ia havia tempos. E foi assim que logo bem cedinho embarquei para o Sabarabuçu (o Eldorado procurado pelo bandeirante Fernão Dias Paes Leme, em 1674), ou Vila Real de Nossa Senhora da Conceição do Sabará (lembrei-me do livro do José Saramago: Todos os Nomes).

Revisitando quase todos os locais onde julgo pertinente ir quando se vai a uma cidade como aquela, tendo em mente sempre a quantidade de esperanças e de sofrimentos atrozes, de conluios, de sexo, comidas e bebidas e, sem dúvida, de envenenamentos, de simulacros de toda espécie, finquei pé numa bodega e retirei dos ombros e das pernas algum cansaço, e logo logo eu parecia ser algum sabarense que apenas estivera temporáriamente ausente.

Ouro e diamantes faiscando na manhã, cicio de malvadezas nos meus poros: miçangas de puro ouro e diamantes no cangote e no colo das negrinhas (Onde se viu isso ? Em que lugar do mundo tanta fartura e intimidade tanta com os metais da loucura e as pedras da desrazão ?)

Pois bem. Lá pelas tantas da manhã já alta, fui de visita a um velho amigo, amizade assim de séculos (éramos garotinhos garotinhos… hehe), e logo que entrei no bar onde ele cede grande parte de sua generosidade aos que entram e aos que passam em frente, veio de lá de dentro um som que era o meu nome. Em casa estava eu, com o velho amigo João Bomba – muito querido, respeitado e conhecido na ‘vila’ do Sabará, MG, Brasil. Brazil.

Apaixonadíssimo por futebol – entendedor, como poucos -, foi ótimo treinador de equipes juvenis, tendo ainda trabalhado na ADEMG (Mineirão). Pescaria também é, sim, uma conversa gostosa. Y otras cositas más. Apresentou-me a alguns de seus amigos e conterrâneos, e lá vive ele com a sua família – que conheci, menos a filha, que estava na faculdade.

A conversa não ficou restrita ao Futuro, não. Falamos, como seria de se esperar entre duas sumidades… hehe, dos velhos tempos e de tempos mais recentes, entre uma lourinha e uma branquinha. O dia não estaria completo sem música ao vivo. Providenciado um belo violão, entramos no delírio da MPB, todos drogados com Cartola, João do Vale, Paulinho Pedra Azul, Jobim… e por aí vai.

Tendo passado por muitos climas bons e ruins, sempre soube eu avaliar bem o teor de uma real ou verdadeira amizade – aquela amizade para toda hora, mesmo ! E o João Bomba continua com isso. Penso já em propor ao Povão, que ergamos um monumento a esta figura sempre sorridente, satírico, duro… se necessário, uma beleza de pessoa.

Tive, sim, um ótimo aniversário. Longa vida ao João.

DMC

Anúncios
Esta entrada foi postada em arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s