ENTORNOS, CONTORNOS, ENGANOS & NÃO-RETORNOS

Artista plástico (1911-89)

Arthur Bispo do Rosário

Meu contorno psiquiátrico é vasto, mas não dói quando sorrio, gargalho ou faço gargarejos com caldo de cana. É ancha a minha agonia para poder entender o que querem de mim forças ocultas que porventura existam, forças ocultas que realmente existam, e forças ocultas imaginadas ou inventadas e dadas à luz como ponto final acerca deste ou daquele assunto, desta ou daquela patologia, de suas mil ramificações, cada uma tão próxima de outra que é impossível saber o que é feijão, soja, milho, ervilha, lentilha, grão-de-bico, e por aí vai a (con)sequência de dúvidas e erros, tornados pão acadêmico de todo dia para pacientes de A a Z (ou quase, melhor não radicalizar), emblema de tratamentos psicanalíticos e psiquiátricos, mas

como dizia o meu ego/eco, dissociado de si e de muitas coisas, o meu perfil psiquiátrico é ancho, de colossal ambiguidade, segundo sei, o que outros meus leitores ou estudiosos de mim não percebem. Vejamos: ontem, domingo belo de chuva fina constante, estava eu numa bitácula, quando alguém assestou um petardo no ambiente até então solícito: “Com doido e mulher vadia, só mesmo no pau… no cacete de porrete mesmo !”, ladrou a figura, certamente já mordido pela cobra de grandes chifres, certamente uma sumidade em sanidade moral e mental, e assim continuei bicando pensamentos e picando sentimentos, como se pica papel já sem valia, algo como nota de 100 reais, 100 dólares, 500 euros já quase e sempre quase totalmente defasadas, por obra de malabarismos que levam pessoas à vesânia e tibieza de escreverem livros sobre tais suínos, com renovados olhares ao próprio umbigo – são mesmo malabarismos conhecidos e desconhecidos, velhos e novos, os quais são, sim, verdadeiros laboratórios, verdadeiras fábricas de patologias psíquicas.

Em que pese o sol constante, pisca nos meus olhos um conjunto de nuvens, de luzes negras; às vezes, apesar do breu circundante, insere-se no meu olhar um arco-íris, uma palheta toda desgrenhada por mil cores… como se vê, sempre em desacordo com o “natural geral” estou.

DMC

Foto: http://www.n-a-u.org/bispo.jpg

Anúncios
Esta entrada foi postada em arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s