“EU DURMO… O UNIVERSO NÃO.” – ela disse.

Cabaça-baianas

O Artesanato fala: Cabaça-baianas / by TÂNIA FILIPPO (Rio / Bahia)

1. DEPOIS DA ÁGUA, O ARTESANTO

Depois da água, há outro encantamento que me fascina de modo cabal, desde o meu mais tenro vislumbre das coisas: o artesanato. Isto porque, para mim, (eu só viria  a saber disso, de fato, tempos depois, pelos estudos continuados, viagens, pessoas e  também pelas imitações de gente que eu conheci), para mim, as paredes das cavernas, onde a primeira arte pictórica encostou-se, ou achou abrigo, achou a tela mais lógica onde estabelecer-se e esperar pelos futuros humanos, são contemporâneas do meu entendimento do que seja a vida, melhor dizendo, do que foram as primeiras passadas humanas, seus dedos rasgados em busca de vegetais, até aprenderem a fazer triângulos de pedra e encaixá-los nalgum tosco e curto, depois longo, pedaço de pau, servindo assim de lança para caçar bichos e matar invasores. Sim, os primeiros tempos foram tenebrosos, iguaizinhos ao de hoje, de dentro do qual se procuramos bolhas de ar para respirar. Logo logo o oxigênio será vendido em garrafas, em macromercados hiperfortalecidos, cada uma com o preço de mais um dia de vida, e, é claro, os dias terão apenas 12 horas, e, é claro, cada dia menos gentes ou gentios ou pessoas ou criaturas ou humanos ou sei lá como nos chamaremos poderão comprá-las.

VER, ENTRE AS PERNAS DO LODO, O SEXO DA AMARGURA E O OLHAR DA MORTE. PROCURAR, ATÉ NA TEZ DO ÓDIO, OS TRAÇOS DE UM AINDA DESCONHECIDO PAVOR: A ALEGRIA GENUÍNA, NUNCA SABIDA.

2. PINTURA ABSTRATA

A pintura abstrata me atrai, porque gosto do que não expressa, do que quer ou pensa expressar, mas gosto, sobretudo, é do espaço que em geral há em trabalhos como, por exemplo, os da Tomie Ohtake e do Manabu Mabe, e, ainda noutra vertente, os da Maria Helena Andrés. Aprecio as telas dela, seu azul bem macio feito a crosta de lã da bunda de um nenén;  mas não me falem na velharia, no arcaísmo besta europeu. Tolices. Melhor é ir às gordas e gordos do Fernando Botero (ali está mais do que uma simples visualização de pessoas rombudas. Com algum esforço, tu podes perceber naquelas imensas esculturas de escuro metal, espalhadas em praças do mundo, um estilo de probidade moral, mas sem moralismo, sem Moral & Ética herdadas dos antigos gregos (Sócrates e a mulher dele, Xantipa, tinham escravos; era normal que todos, e aí também os filósofos e legisladores – defensores de todas, ou quase todas, as liberdades – tivessem escravos). Pois bem. Escolas substistem para serem buriladas, e algo dos gregos a turba de língua alemã (a escrita) burilou, ou seja, tolices judaico-cristãs, picuinhas kantianas, hegelianas, desembocando nalgum bando esfarrapado de mirabolantes provadores de haxixe com vinho, de cogumelos com anis, etc, ou seja, sartrianos da vida e outros cocoricós. Pois bem, gente quase boa, em frente.

3. O ARTESANATO É UMA MESA FARTA

Fico encantado com os frutos das mãos das artesãs, reconhecíveis a uma distância enorme, sofrendo elas sempre algum enquadramento dado por meros “filisteus das artes”, “experts em punhetas mentais”, “mestres do acalanto pictórico”, “chorosos em travesseiros puídos”, “sornas”, pacientes sofrendo de   “esclerose múltipla”, quando não daquela patologia que é incompatível com a vida, qual seja, a “displasia ectodérmica anidrótica” (esta última, cito-a aqui em termos figurativos), etc.

Agradam-me aquelas figuras tão entranhadas nos artesanatos mundo afora (eu digo em geral, porque aqui não temos camelos, e nos desertos não há capivaras); figuras em barro, madeira, vidro, sabugos, pedra, ou feitas de outros materiais; figuras de cavalos, bois, tropeiros, lavadeiras, galinhas, jumentos, aves e pássaros, padres, vilas inteiras, répteis (eis aí os arquétipos), etc; figuras estilizadas, com vagas ou explícitas alusões a fatos nada corriqueiros entre os seus / suas colegas de arte, alusões feitas por pessoas mais habilidosas, com uma visão mais larga do que a da “aldeia” onde vivem, ou do lugar onde se criaram, tomando, a partir de lá, uma consciência da vida que pode seguí-las por toda a vida,  embora recebendo influências, e isto óbviamente reflete-se no seu trabalho. Elementar.

Vi alguns trabalhos de uma pessoa notável, incisiva e, como toda pessoa que se preza, impaciente com os giros tortos do mundo. Ela faz um trabalho muito bom com cabaças, mas não só com cabaças, um trabalho que demonstra uma serenidade alegre (digo isto porque, decerto, observei as cores de fundo dos trabalhos). Ela pinta camisetas, sempre com um mínimo de motivos juntos, o que me parece muito bom, porque numa fruteira lotada você vê todas e não vê nenhuma fruta em particular. Há coqueiro em camiseta, o que te dá tempo de “imaginar” algum lugar só teu, algum lugar onde estiveste, ou desejas estar, e isto, para mim, é sinônimo, embora não único, de um trabalho artístico de boa qualidade: deixar a gente ver, FAZER a gente ver, fazer-nos comer e passar bem, comer e sentirmo-nos mal, mas provar atêmpera dos trabalhos, os temperos daqueles petiscos, daquela comida oferecida em forma de telas a óleo, de cabaças pintadas, de ferro batido, de taquaras, de tricô e croché, de cerâmica, de ossos, etc.

TÂNIA FILIPPO – carioca radicada na terra baiana – é uma das maravilhas de artesãs que há no país; e   o sopro de suas mãos vive em muitas casas, a partir de feiras, encontros e festivais dos quais participou. Feira é palavra antiga, quase mágica. Fico espantado quando vou à casa de alguém, num país como o Brasil, e não encontro nem um vestígio, repito: nem um vestígio de artesanto. De livros, já desisti de procurar, e de falar acerca disso. Longa vida às artesãs e artesãos.

DARLAN M CUNHA

*****

Ela é boa fotógrafa, embora amadora. Visitem-na aqui:

http://www.flickr.com/photos/filippotania

Anúncios
Esta entrada foi postada em arte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s