o oitavo selo

revista Minguante

 
Casa de areia e névoa aqueles trinta
e um dias passados, que a vida é breve,
mas o recado de ontem seguirá com abas
abertas, ou não, sobre o caminho que ora
se abre e se estende com todas as suas
incógnitas, e nenhuma certeza, a não ser
a de que o final da primeira madrugada
está calmo, andróginos vazam ruas, vindos
de festa, vindas do Nada, criaturas da noite
abraçam o cansaço, ao longe, uma velha
dúvida, algo inespecífico não se desgruda
da gente que entra neste oitavo selo
já com ares de pão velho, de estrada batida
por invasores de bíblia nas mãos, os ossos
do ofício seguirão dando as cartas, doentes
estão os ossos de todos os ofícios, porque
trabalhar esse trabalho cansa – o trabalho
de viver num trapézio, na corda bamba
de um circo cada vez mais pegando fogo,
todos los fuegos el fuego, todos los juegos
devem ser jogados, a postos os perdedores
e os ganhadores, sim, luz em agosto já se faz.
 
Poema: Darlan M Cunha
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s