Sancho y Quijote

Sancho y Quijote

UM CRONISTA ACOSSADO POR PESADELO QUE VIROU SONHO, E QUE INSISTE EM SE TRANFORMAR EM REALIDADE.

1.

Durante certo tempo, sem que percebesse tal inclinação, ele teve consigo posturas de Don Quijote, ou seja, era dado a excentricidades ou delírios ou visões típicas de quem não cabe dentro de si, para quem a praça da aldeia é curta demais para tantos anseios malditos e até benditos corroendo-lhe o consciente e o inconsciente, sim, é verdade. Acontece que delirar é algo espinhoso, cala fundo no Outro cada delírio do vizinho, tornando-se então sujeito a muitas interpretações geralmente errôneas sobre o seu estado de saúde mental, que foi aliás o que aconteceu com o verdadeiro, glorioso cavaleiro da triste figura, autonomeado Don Quijote de La Mancha.

Finalmente a Infanta tornará em si, e dará as suas brancas mãos por entre as grades ao cavaleiro, o qual as beijará mil e mil vezes, e as banhará de lágrimas.” *

Durante certo tempo ele viu e combateu gigantes que eram tão somente pequenos ecos de sua insanidade pacata, sua volúpia de andar entre desconhecidos, dar de cara com espinhos nunca sonhados, sim, durante certo tempo, de mancha em mancha, viu o sorriso do sol sobre suas feridas de maluco, de bodega em bodega, escorregando palavras quase que totalmente inteligíveis até mesmo ao mais paciente ouvinte, entre canecas de vinho. Dom Quixote ele era, arreando o Rocinante, ou desatando as calças para uma eventualidade fisiológica entre umas ramas daquela região árida e sonolenta justamente por sua aridez; mas, não se deve deixar enganar aquele que quer conquistar o mundo para dá-lo a alguma donzela, porque em todo lugar tem gente, e onde há gente há mil perigos, tantos quantos sejam os poros de cada dia. Porém, ele não sabia disso, porque, para o nobre cavaleiro da triste figura, o que importava era a retidão de caráter, atraía-o afastar as pedras no meio do caminho, a mais absoluta falta de monotonia (Dulcinea del Toboso, en el corazon), e por isso seguia derrubando moinhos, e por eles sendo estropiado.

… e, finalmente, todas aquelas ações que fazem perfeito um varão ilustre, ou pondo-as num só, ou dividindo-as por muitos.” * 

2.

Por outro lado, também durante certo tempo de sua vida ele postou-se sanchescamente, ou seja, viveu mais de acordo com os preceitos resmungativos ou resmungatórios do glorioso gordo, sempre achacado por alguma queixa, ou seja , a sua moléstia preferida: queixas e mais queixas. De vez em quando, algo do seu mau-humor sobrava até contra a sua fiel mula, batendo e soprando, beliscando e afagando – assim o Sancho Panza, sempre de sonho com a sua ilha prometida pelo seu amo delirante Dom Quixote. Como disse este cronista, durante certo tempo ele viveu como que só à espera de sua recompensa, mas já eram tantos os dias de penúria através daqueles malditos campos pelados de coisas boas, repletos de desventuras cheias de equimoses e humilhações, com o vinho escassíssimo, a dura cama sob oliveiras e vinhedos ressecados, e sempre sob o olhar cobiçoso e agourento dos malditos corvos, que o doce gordo sempre se punha a perguntar o que é que fazia naquelas vastidões, longe do seu quintalzinho de pobre diabo, e logo ali os afagos um tanto tristes e de má vontade de sua gorda mulher.

“O caso é que o estômago do pobre Sancho não seria tão melindroso como o do cavaleiro; […] A este tempo entrou a bebida a fazer o seu efeito, e começou o escudeiro a desaguar-se por ambos os canais com tanta pressa, que a esteira de junco, em que de novo se tinha deitado, e a manta, nunca mais serviram. Suava e tressuava com tais paroxismos e acidentes, que não só ele mas todos pensaram ser aquela a última da sua vida.” *

3.

Esse cronista ressonou sob Alcalá de Henares, o povoado no qual, segundo a maioria (controvérsias há), nasceu o inventor dessa dupla de doces desvairados.

“Despediram-se de todos, e da boa Maritornes, que prometeu rezar um rosário, ainda que pecadora, para que Deus lhes desse boa fortuna em tão trabalhoso e tão cristão negócio, como era o que empreendiam.” *

Texto: Darlan M Cunha                                                                                                               Foto: Google Search

*: Miguel de Cervantes Saavedra. Don Quixote, vol. I, cap. XLVII, p. 288. / 95 / 158. Trechos extraídos de Clássicos Jackson, vol XIII, pela eBOOKSBrasil).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s