às vezes

ANDRE GOVIA - Abandoned crematorium

ANDRE GOVIA – Abandoned crematorium

         A casa é um silêncio só, de se lhe ouvir o sossego quebrado pelas lavapés em torno das migas de açúcar, pelo que desandam na farra. O resto é cortesia. Às vezes, quebra a monotonia o plof de um livro sendo fechado, de interior pesado, sisudo pelo que talvez tenha dentro. Inflam o ar a cortina e o som de uma xícara nos lábios da criatura, pensando nos miúdos do cotidiano geral, ao largo de filosofias, tda e avc, pândegas masturbatórias em voga no mundo virtual. O mundo põe na calçada parte do ontem, ou seja, recebe parte do que houve um dia antes a jusante. Cremar é verbo antecipado, mas do intransitivo verbo amar não há quem lhe guarde as cinzas. E a obsoleta expressão mutatis mutandis ainda intriga certas criaturas.

Texto: Darlan M Cunha

Anúncios

Um comentário em “às vezes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s