janelas / windows

Novo e persistente ensaio sobre a cegueira

A boca das cavernas era a janela de onde se via a caça, o inimigo furtivo. O medo chegou com a religião que fez dele um sistema, o qualificou como pai e mãe da insônia geral.

As janelas são a casa, mas em várias sociedades elas mal existem, só uma portinha. Lá fora, contradições: seus beirais sem contos de fadas, a janela é refúgio, mas o silêncio continuado pode ser sinal de perigo, a pessoa pode ver o que já não existe, ou o que nunca existiu.

Sabará, MG. “Namoradeira.”

Da janela frontal, da lateral ou da dos fundos, os dias nos comovem, ou já pouco importam.

Darlan M Cunha

LÔ BORGES. Da janela lateral. Patrocínio Laboratórios HERMES PARDINI. https://www.youtube.com/watch?v=I7B8yNYDXxk

3 comentários sobre “janelas / windows

  1. Para nós mineiros, estas janelas, quando existem externamente, sempre revelam o horizonte externo e interno, não é meu caro Darlan. Nesta pandemia, escrevi um poema para cada janela do ap que moro… (exceto as do banheiro rsrsrsrs)…. inspirado nestas janelas laterais… Paz e Bem, meu caro.

    Curtir

    1. Grato, ESTEVAM

      pelo comentário cheio de sol, elegante. Quanto ao banheiro, caro amigo… Bão, Uai… deixa pra lá !
      Por falar em Minas, estou aqui sendo maltratado por couvinha cortada bem fina e feijão tropeiro. UAI !!!

      Um abraço.
      Darlan M CUnha

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s