outro incerto entardecer: o Homem no chão

E LÁ SE VAI MAIS UM DIA

***

Dos roedores e insetos, dos galináceos e batráquios ao Homo sapiens sapiens

A frase terrível de Dostoiévski cabe aqui: Todos nós somos culpados de tudo. Essa outra também tem uma estirpe nada engraçada: Sou o mesmo de ontem: mas diferente. (DMC). Pois bem, todos e todas com máscara e gel, sob o pavor constante do invisível, embora seja bem visível sua presença, cuja origem ainda é de fato desconhecida. Quebrou a espinha dorsal do mundo vasto mundo gasto mundo.

Enquanto isso, o povo perambula, deambula e vira bula, mas o mundo arcará com sequelas por duas décadas, ou mais, bem perceptíveis a olho nu e cru, outras tantas percepções serão sutis, mas o fato é que aqui e ali e acolá e além-lá todo mundo está sonso, o desânimo em cada poro, a gente toda toda raivosa, fora de si, de um modo ou de outro, insones, cuja vigília dá em êmese e pirexia, sim, vômito e febre, e eis que o céu da boca tornou-se deserto, mas os e as farristas continuam de vento em popa, e por isso ouvi ontem no Mercado Central de BH a pergunta erudita: Torquemada (foi Inquisidor-Mor da Inquisição Espanhola), o que foi feito do garrote vil da Idade Média, e de antes, de depois, contra estes necrófagos, estas zinhas ?

Onde uma cama ou maca com pregos e selos para o fim deste Terror ? Não há cama para o drama que assola senhores e damas, reis e rainhas e suas ladainhas ? este que fustiga reis do rock progressivo, tanto quanto atrizes do mundo lascivo; que desarma da vida jovens e até crianças, que suga as notas musicais que tu e eu ainda temos que tocar, e que se abate sobre nós feito um cardume de piranhas, feito o veneno do baiacu, as pinças da jararaca e o veneno letal, este, sim, dos preços nas bancas ?

Darlan M Cunha

MPB-4 canta SIDNEY MILLER.Pois é, pra quê. : Pois é, pra que – MPB 4 – YouTube

MPB-4 canta MAGRO e PAULO CÉSAR PINHEIRO. Canto dos Homens – MPB4. – YouTube

dominical

Eu uso tênis – antigamente chamado de quedes.

***

CLUBE da ESQUINA nº 3 – ou Venha vestir a roupa de algodão grosso dos mineiros, como fizeram D. Pedro II e a Imperatriz Tereza Cristina.

De vez em quando a cabeça dói, algum dente late, um dos sapatos põe a língua para fora em plena rua, e aí fica complicado, meu amigo, voltarás mancando para casa, minha amiga do bico fino (o sapato), sempre há pequenas surpresas cotidianas, cotidiárias, cotidiácidas, imprevistos que se muitas vezes são desagradáveis e até desesperadores, outras vezes, são até engraçados, se analisados tempos depois. Comigo aconteceu, na bela e pequena e próxima Rio Acima, de estar de terno e gravata, e ponha elegância nisso, sapatos de couro cru, um dos quais me fez o solene favor de abrir a boca na rua, mas tive tanta sorte naquele domingo, que um passante, caminhoneiro e, nas horas vagas, sapateiro, marceneiro, mestre carpinteiro e sabe lá o diabo o que mais de bom ele tem, notou o meu embaraço (embaraço, em espanhol, é embarazo, significa mulher grávida… afe!), me levou à casa dele, onde, entre risadas e cervejas, fez o conserto, ele nada cobrou, ou seja, de um imprevisto desagradável, numa cidade com história do Brasil (Rio das Velhas = ouro, minérios em geral, a meia hora de Bêagá, o imperador D. Pedro II e a imperatriz Tereza Cristina estiveram lá), ganhei um amigo de fé: José. Coisas da vida, minha nêga, como diz o Paulinho da Viola numa canção. Para terminar, não esquecer que “todo mineiro é conspirador.” É a nossa genética, nosso psiquismo muito bem arraigado.

***

Come wear the thick cotton clothes of the miners, as did the Emperor of Brazil, Dom Pedro II and Empress Tereza Cristina.

Once in a while your head hurts, a tooth barks, one of your shoes sticks out its tongue in the middle of the street, and then it gets complicated, my friend, you will go back home with a limp, my friend with the thin beak (the shoe), there are always little everyday surprises, everyday, everyday accidents, unforeseen events that, if they are often unpleasant and even despairing, are sometimes even funny, if analyzed afterwards. It happened to me, in the beautiful and small nearby Rio Acima, that I was wearing a suit and tie, and put elegance into it, raw leather shoes, one of which did me the solemn favor of opening my mouth on the street, but I was so lucky that Sunday, that a passerby, a truck driver and, in his spare time, a shoemaker, joiner, master carpenter and who knows what else good he has, noticed my embarrassment (embarrassment, in Spanish, is embarazo, it means pregnant woman. … afe!), took me to his house, where, between laughs and beers, he did the repair, he charged nothing, that is, from an unpleasant unexpected, in a city with Brazilian history (Rio das Velhas = gold, ores in general, half an hour from Bêagá, Emperor Pedro II and Empress Tereza Cristina were there), I gained a friend of faith: José. Things of life, my nêga, as Paulinho da Viola says. To finish, don’t forget that “every miner is a conspirator.” It is our genetics, our very well ingrained psyche.

Darlan M Cunha

CLUBE da ESQUINA nº2. MILTON e LÔ: https://www.youtube.com/watch?v=-83HCIbrfWU

CLUBE DA ESQUINA nº 1. MILTON (Vídeo no Blog de MOACIR SILVEIRA): https://www.youtube.com/watch?v=YkLjtrJjXEM

não é tempo de rir, 2

Centro de Saúde TEIXEIRA DIAS, Belo Horizonte, MG

@1.

Chegou o tempo em se vende mais materiais de higiene pessoal e caseira do que leite. Ontem, na TVE Espanha, vi no centro da capital: Las colas del hambre aumentan en Madrid – filas cada vez maiores, pessoas bem vestidas, estudadas, sem agressões, esperando sua vez de levarem alimentos. Vi também a entrevista do médico/cientista e ex ministro da Saúde, Nelson Teich, à CNN Brasil, na qual ele faz avaliações claras e, portanto, pesadas, mas elegantes, a respeito de medidas tomadas pelas autoridades brasileiras diante das várias facetas do corona vírus.

@2.

Todos nós temos de vez em quando alguma lembrança que nos reaparece em hora e lugar os mais inesperados, sim, alguma lembrança de fato agradável – uma viagem, por exemplo. No fim da madrugada desta segunda, 15, enquanto passava o café, acompanhado pelo silêncio habitual, lembrei-me de uma das viagens do meu tempo de mochileiro, a qual me levou, através de algumas caronas nada programadas, até São Paulo (capital, São J. dos Campos, Campinas); Paraná (Curitiba, Ponta Grossa e seu Parque Estadual de Vila Velha, Foz do Iguaçu); Argentina, Paraguai, e depois um retorno algo atribulado, passando por uma república de jovens estudantes que fizeram votação para que eu pudesse ou não pernoitar na casa. Fui aceito, e eu me admiro até hoje daquela sensatez. Isto se deu em Florianópolis, uma cidade que os “manezinhos” (assim eles se chamam e são chamados) guardam com carinho, e chamam-na de Floripa, assim como nós aqui chamamos e escrevemos Belo Horizonte assim: BÊAGÁ, BH, Belô.

Darlan M Cunha

ângulos diversos

Identidades

A discrição que esteve ausente reapareceu de sopetão em Brasília, certa prudência reapareceu, sim, revigorando os fatos, fazendo bulício entre as cobras (Cadê o pau ?, alguém perguntou a respeito disso, palitando os dentes em frente ao BAR DO MANÉ DOIDO, no Mercado Central de BH). Se um dia é escuro, o outro poderá não ser. (DMC)

@2.

a boca que conheça razões para de rumo // mudar, e não só gritar de morrer (Darlan M Cunha. Esboços e Reveses: O Silêncio, p. 41. Editora CBJE, Rio de Janeiro, 2008)

Quanto mais acentuada for a introversão, tanto mais rígidas e inflexíveis vão ficando as convicções dos indivíduos desse tipo. (Carl Gustav JUNG. Tipos Psicológicos)

Há quanto tempo assim ? Não sabia, não podia saber, não queria saber. (Autran Dourado. Ópera dos Mortos)

Quando eu casei, também estava chovendo. Que posso fazer eu contra tal recordação ? (Osman Lins. Avalovara)

As datas são para o esquecimento, mas fixam o homem no tempo e trazem múltiplas conotações. (Jorge Luís Borges. Prólogos)

Atravessar o que nos nega, chegar ao Sim. (Vicente Franz Cecim. Viagem a Andara)

Urrando. Enchendo o sertão, a solidão // de berros comoventes, diferentes. (Cora Coralina. Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais)

Viajo os rumos trocados as ruas que se invertem
Distâncias que se encontram pernas que se perseguem (Denise Emmer. Cantares de Amor e Abismo)

Algumas mulheres escolhem seguir os homens, e outras escolhem seguir seus sonhos. Se você está se perguntando em qual direção seguir, lembre-se de que sua carreira jamais acordará de manhã e dirá que não te ama mais. (Lady Gaga).

Darlan M Cunha, Convidados & Convidadas

nova face

Cuidado, frágil.

Vemos casas serem demolidas todos os dias vemos pontes jogadas nalgum leito de córrego ou de rio todos os dias se pode ver, melhor, a todo momento se vê gente vencida em seu tempo de encantamento, demolida por forças às quais nunca entendeu, não, mesmo se delas fez parte (Gente é ponte, ainda é, ou foi, ou nunca foi ?).

Não temas e não corras: é aqui mesmo o que não procuras.

O escritor estadunidense J. D. Salinger, autor do livro que de fato esteve e ainda está na casa de todo mundo de lá, e noutros distantes lugares também – O Apanhador no Campo de Centeio // The Catcher in the Rye – (1951), o livro de toda uma geração, que com outras e mesmas ânsias continua, do rebelde garoto Holden Caulfield, recolheu-se em sua casa no interior dos EUA, e tornou-se um verdadeiro Urtigão, longe da saparia cotidiárida, avesso a mimimi, aos interregnos de quase sempre, enfim, comeu sua aveia sossegado. Da janela lateral do meu quarto de dormir vi esta demolição, e lembrei-me do livro, de suas extensões, dos mil caminhos da vida.

Darlan M Cunha

colheita

A pauta dos dias (passeio do Mercado Central de BH, fev 2021)

E porque nenhum dia tem irmão gêmeo, é preciso ir ao novo dia como despreparado, mas não total, porque tens o cabedal dos dias anteriores. Cada dia tem seus próprios acordes em sol ou em ré maior ou menor, vá pegar o sol com a mão, a lua em seu compasso, todo dia é dia de viver, ou ficar dentro do pijama.

Mercado Central de BH

Mercado Central de BELO HORIZONTE – MG. Fundado em 7 de setembro de 1929, tem, hoje, 400 lojas, 2.850 funcionários. Centro de BÊAGÁ). Ao ser fundado, BH tinha 31 anos e cerca de 45 mil habitantes. Hoje, aos 123 anos, tem 3 milhões de habitantes.

Vocês querem bacalhau ?, Chacrinha perguntava, todos os sábados no seu famoso e maluco programa sempre em torno da música. Sim, Chacrinha, queremos bacalhau, pequi, jiló, melancia, umbu, urucum, queijo, sorvete de manga, café, o peixe de nome namorado; queremos quiabo e moranga, goiabada cascão, tacho de cobre e panela de pedra, queijo e doce quebra-queixo ou “puxa”, requeijão, espinafre, alho-poró, bodoque e gaiola de taquara, cheiro verde, suã de boi e suã de porco, cestaria, queremos a difícil, rara iguaria de nome Sossego.

Especiarias

TOLICES de se inventar DIA DISSO e/ou DAQUILO: Dia da MULHER é todo dia.

Darlan M Cunha