manhã / morning

café da manhã

***

“Se não tiver esperança, melhor fazer um caixão para si.”  Provérbio afegão 

provérbio Afegão

***

If you have no hope, better make a coffin for yourself.Afghan proverb

***

Darlan M Cunha: foto

Ó, mamma mia!

roscas feitas em casa // home made
sorria ou chore // smile or cry

***

E PORQUE HOJE É DOMINGO

E porque hoje é domingo, muitas pessoas ficarão em casa, afáveis, cansadas de mil correrias, eis os chinelos, a bermuda e a camiseta, mas onde estão os sorrisos e as piadas ? Nada de cílios postiços, nem de relógio, e muito menos de internet – basta de inutilidades ! isso porque hoje é o dia depois do dia de sábado, e quem vive sozinho, sozinha não fique. E porque é domingo, uma esticadinha na praça aqui perto, bom exemplo. Sol é bom, e as lagartixas gostam. De volta, um tropeção, e um pequeno palavrão, para desafogar. Lavar a roupa e ajeitar os móveis. Música com poucos decibéis, música é para se ouvir e viajar dentro dela, não seja arma para irritar a vizinhança, ora. E porque é domingo – feijão, arroz, salada e macarronada, ou seja, o que houver para comer. Certo ? Felizes iguais às borboletas, os sapos, as rãs, os bichos-preguiça, as bibas dependuradas no teto, de cabeça para baixo, nós todos felizes, iguais aos cofres do governo, cheios do suor do Povão. Mas está tudo bem, porque hoje é domingo, hoje é domingo.

*

AND BECAUSE TODAY IS SUNDAY

And because today is Sunday, many people will stay at home, affables, tired of running, here are the slippers, the shorts and the T-shirt, but where are the smiles and the jokes ? No false eyelashes, no watch, and even less internet – enough with the uselessness! because today is the day after Saturday. and those who live alone, don’t be alone, and because it is Sunday, a little stretch in the square nearby, a good example. Sun is good, and lizards like it. On the way back, a stumble, and a little swearing, to relieve the pressure. Doing the laundry and tidying up the furniture. Music with low decibels, music is for listening to and traveling in, not for annoying the neighborhood. And because it is Sunday – beans, rice, salad and noodles, whatever you have to eat. Right ? Happy as butterflies, the frogs, the toads, the sloths, the bibies hanging from the ceiling, upside down, we are all happy, just like the government coffers, filled with the sweat of the People. But that’s okay, because today is Sunday,today is Sunday.

*

Darlan M Cunha: foto e texto

os pés / the feet

de casa

***

Ficas aí filosofando: Quem acendeu a primeira fogueira, de caso pensado, quem sapecou as primeiras carnes muito duramente cercadas e capturadas pela tribo, sim, como terá sido isso dos nossos ancestrais ? quem preparou a massa dos primeiros pastéis ? foram comidos crus, feito os japoneses que até hoje, sabiamente, comem peixes assim: crus ? Foi um longo caminho, uma jornada pavorosa, cheia de dúvidas, medos, terrores, frio, lanças, febres, feras humanas e não humanas, sim, foi “uma longa e sinuosa estrada”, de acordo com o título desta música dos Beatles. Bom… chega de filosofia, os pasteis estão quentes e cheirosos. Coisas de família.

*

You stand there philosophizing: Who lit the first fire, just in case, who salted the first meats that were so harshly fenced and captured by the tribe, yes, how could this have been for our ancestors? who prepared the dough for the first pastries? were they eaten raw, like the Japanese who, wisely, eat fish like this: raw? It was a long way, a dreadful journey, full of doubts, fears, terrors, cold, spears, fevers, human and non-human beasts, yes, it was “a long and winding road”, according to the title of this Beatles’ song. Well… enough philosophy, the pastries are hot and smelly. Family stuff.

***

Darlan M Cunha: foto e texto (trad./trans. DeepL.com)

ajustes / adjustments

doce de leite caseiro

***

Ajustes diários, viver é ajustar-se, lavar-se disso e daquilo, juntar-se a isso e àquilo, a este e àquela, mudar-se de casa, de rua, de bairro, de aldeia, do mundo, revigorar conceitos já arcaicos e até insuportáveis, mamar noutras mamadeiras, doando sangue, suor e lágrimas (lágrima é a breve arquitetura do choro, segundo o poema Lágrima, do Eugénio de Andrade), e assim resta seguir o desconhecido, de tropeços em tropassos, ir é o que há: ir.

*

Daily adjustments, living is to adjust, to wash yourself of this and that, to join this and that, this and that, to move house, street, neighborhood, village, world, to reinvigorate already archaic and even unbearable concepts, to suckle at other bottles, donating blood, sweat, and tears (lágrimas is the brief architecture of crying, according to Eugénio de Andrade’s poem Lágrima), and so it remains to follow the unknown, from one stumble to another, to go is what there is: to go.

Darlan M Cunha: foto e texto

regime ?

*

saber onde se está, e de onde se é, eis a questão simples, mas quase ninguém chega lá, não entra total no próprio enredo, no próprio entorno, desconhecendo assim suas formigas, as folhas no chão, os troncos no fundo do quintal, ah, essa pinga é boa, que belo vestido, biscoitos que tu sempre comeste em família, mas quase nada sabe deles. Tome juízo, não faça como eu que vivo cego surdo mudo sem miolos.

*

Esse bacalhau me fez lembrar o que me contaram há muito tempo: um vereador aqui de BH, de nome Thibau – acho que já falecido, há tantos anos nunca mais ouvi falar dele -, segundo o que ouvi, pretendia entrar com um projeto o qual visava trazer água do mar para Belo Horizonte, linda, moderna, poderosa, através de um canal a ser aberto a partir do mar no Espírito Santo ou no Rio de Janeiro. Pois é, esse bacalhau me levou ao mar, naturalmente, e então me lembrei do digno vereador, e desta história que, parece-me, é estória.

Darlan M Cunha: fotos e texto

Mãe, teus pés são o meu rumo

MÃE

***

CARTA À MÃE nº 169

Dona MARIA,

a Senhora está dormindo, cá estou eu bebendo sins e nãos, bebendo café, rindo de mim e mais ainda do mundo, este idiota com e contra o qual se tem de lidar 25 horas por dia, mas deus – em quem não posso crer, porque sou o diabo em pessoa -, mas “deus proverá”, como a Senhora sempre diz, com essa bondade e esta alegria e esta energia aos 89 anos, que nem o poderoso chefão do céu tem, a Senhora com estes ene predicados que encantam a todos, e a quem a molecada não larga por nada.

Mãe, meu sossego, meu passatempo único (o qual muito me basta)

não se preocupe, porque a máquina de lavar roupas, que a rapaziada levou para uma troca de borracha e acho que de engrenagem, no dia de ontem, estará pronta e será entregue amanhã – sem falta, pois dei uma dura, de leve, caramba, R$490,00 o conserto, Mamma Mia ! Tive de pedir emprestado no boteco do Fuinha, pedi também para as minhas duas namoradas (até quando ? se descobrirem, estarei frito, terei de me mudar de barraco e de aldeia), um pouco também dos empréstimos veio do padre Abílio, e outro tanto veio do Gerardo Doido, bom rapaz. Mãe é Mãe.

Mãe, meu cordão de diamantes variados, minha catapulta para a felicidade

Ah, outra coisa: o dia de ontem foi de amargar, e olha que eu sempre tenho a segunda-feira como sendo, disparado, o melhor dia da semana, por ser o dia em que a galera ou o povão vai ralar, depois da macarronada e do frango e do fútilbol e do namoro dominicais, pois não há Plano B. Escute essas: A operadora de tv e/ou o banco aprontaram uma para cima de mim, que estava atrasado uns doze dias no plano de televisão de fibra ótica, sem saber, porque sempre foi débito automático, e este seu anjinho sem saber DE NADA, em tempo da Lei bater as botas sujas aqui na porta do humilde mas asseado barraco, e ainda mais nesses tempos de patologia letal, que colocou o mundo inteiro de joelhos, quando todos e todas se achavam, sim, os bonitões e gostosonas e poderosos e não se mais o quê. Menos uns poucos como eu e a Senhora, e muitas outras pessoas de bom tino. Eu tive de ir ao banco, com mil papéis e pedidos humildes, mas tive de resolver a parada. Além disso, fui procurar o rapaz para ir na casa da Senhora para ele trocar uma chave da porta da sala, a qual simplesmente resolvera quebrar-se e deixar um cotoco lá dentro, e como a Senhora tinha uma de reserva, nem foi preciso fazer outra, e não ficou nem dez minutos, mas lá se foram R$ 40,00 pilas, pilas, como se diz lá no Rio Grande do Sul, ou caraminguás, como se costuma dizer lá pras bandas do Nordeste, etc. Penso em me mudar para os anéis de Saturno, mas só se a Senhora também for comigo, pois os preços estão nas nuvens, mas Saturno fica muito acima delas. Mãe é Mãe.

Mãinha, colibri da minha existência

Não há de ser nada, não sou reclamão, a não ser quando é preciso, e isso é todo dia. Hoje, prepararei para a Senhora um delicioso chá de hortelã com legítimo mel de abelhas de Santa Bárbara, MG, onde moramos já faz um século (o tempo não espera). Sei que a Senhora está embalada em desenhar e bordar tecidos, linduras assim tão lindas quanto o arco-íris, e sei que a Senhora está um tanto triste com a volta da neta Fá com o marido e o casal de filhinhos, depois de umas semanas no Brasil, voltaram para os EUA, com muitos presentes da Vovó. Almoçaremos boa macarronada, ou chuchu com ovos, ou cará com carne moída, ou então o trio do qual a Senhora gosta: quiabo com moranga e carne de panela. Eu vou preparar, não quero ver a minha Mãe no lufa-lufa e eu bebendo café e cerveja. Toma juízo, zebedeu filisteu.

MÃE MARIA, minha brisa matinal, meu doce de batata doce com coco ralado e canela em pau

vou me despedir, sim, este seu filho meio lerdo e desmiolado, quase analfabeto, mas decerto um bom garoto já vai se despedir. Mãe é Mãe.

Dona MARIA JOSÉ, prontinha para a Abertura dos JOGOS OLÍMPICOS de TÓQUIO, entusiasmada como sempre, serelepe aos 89 anos.

DARLAN