o ocaso da alegria: Mundo

Área central de BELO HORIZONTE, MG. Não consegui o autor ou autora.

***

@1.

Lembro-me ainda hoje, tantos anos depois, de uma frase do folclorista, sociólogo, antropólogo, nascido em Natal, RN, Luís da Câmara Cascudo (1898/1986), que, numa entrevista, disse “já perdi a capacidade de me indignar“. Vê-se, pois, que a engrenagem roda e roda e, fundamentalmente, pouco muda de rumo, as mentalidades são duras na queda, não cedem, e assim as visões sociais se atrasam, retardam, leis e mais leis são desenhadas quase em vão.

Ao ver essa pintura mural, numa manhã de domingo, não titubeei, e fiz a foto.

@2.

bolo de fubá recheado com pedaços de queijo

Na nossa casa no interior bem interior de Minas Gerais – Vale do Jequitinhonha – fazia-se muito tipo de bolos e biscoitos, isto era semanal, e fazia-se também manteiga, o que dá um trabalhão, e me lembro que a nossa mãe, Maria José (hoje com 89 anos, sadia), no grande quintal onde havia uma mangueira enorme dando sombra, trazia um pote pequeno com manteiga, acabada de ficar pronta, e a molecada metia o dedo, e ninguém tinha nem sombra de diarreia. O futuro e o dia de hoje são de tecnologia, tudo pronto, mas relembrar faz bem.

***

Darlan M Cunha: fotos e texto

no forno

Do Vale do Rio Jequitinhonha, MG, Brasil

*

Reagir, ou cair no pior dos esquecimentos, sim, pedra sobre pedra é o que restará, verdade é que no seio do caminho hoje não há sequer um laivo de esperança, o instrumento está sem cordas, a fachada está de pintura nova, também chamada de pichação. Amanhã comerei a carne branca de um jacaré, verá quem é o chefe da água, ele verá. Reaja, ou dormirás na barriga de um jacaré, não como o Jonas da bíblia, que foi parar no estômago de uma baleia. Metáfora é metáfora – coisa pouca.

Darlan M Cunha: foto e texto

equilíbrios

***

Casa de artistas em geral é doce balbúrdia, mas os ódios e as rachaduras morais, os trevos mais perigosos e o sangue mais sujo do mundo em geral não moram com eles e com elas, isso porque um artista de verdade luta para estar somente em sol sustenido maior, nada de mínima e semínima em ré, ré menor, viver preso entre colchetes, não, chega de canção fúnebre no cotidiano de tanta gente, todos os dias, e então o artista sente que suas pedras não são as únicas, e vai à luta.

*

An artist’s house in general is sweet tumult, but the hatreds and moral cracks, the most dangerous clovers and the dirtiest blood in the world in general do not live with them and with them, because a real artist fights to be only in G major, no minim and quarter notes in D, D minor, to live stuck between brackets, no, no more funeral songs in the daily life of so many people, every day, and then the artist feels that his stones are not the only ones, and goes to fight.

*

La casa de un artista en general es un dulce tumulto, pero los odios y las grietas morales, los tréboles más peligrosos y la sangre más sucia del mundo en general no conviven con ellos, porque un artista de verdad lucha por estar solamente en sol mayor, nada de mínimos y cuantas notas en re, re menor, por vivir metido entre paréntesis, no, no más canciones fúnebres en la vida cotidiana de tanta gente, todos los días, y entonces el artista siente que sus piedras no son las únicas, y va a luchar.

Darlan M Cunha: foto e texto

linha / line / línea

Silêncio, Mundo

São assim as variantes: se se mistura a tinta verde com a vermelha, surge o amarelo. O silêncio compreende que só se vá a ele por etapas, que o buscador chegue a ele após ultrapassar o possível a um monge tibetano, até chegar ao universo da costureira. Eis a concentração, onde o bolor não tem vez, e muito menos a Mãe Pressa Social.

***

This is how the variants are: if green paint is mixed with red, yellow emerges. Silence understands that one only goes to it in stages, until the seeker reaches it after surpassing what is possible for a Tibetan monk, until he reaches the universe of the seamstress. This is the concentration, where mold has no place, much less Mother Social Haste.

***

Así son las variantes: si la tinta verde se mezcla con la roja, aparece la amarilla. El silencio entiende que sólo se llega a él por etapas, hasta que el buscador lo alcanza tras superar lo que es posible para un monje tibetano, hasta que llega al universo de la costurera. Aquí está la concentración, donde el moho no tiene cabida, y mucho menos la madre prisa social.

Darlan M Cunha: foto e texto

juventude(s)

Artista: Maria José M Cunha (89), incansável, para a bisneta Alícia (6).

***

O alarme soou o alarme do cansaço e das impossibilidades, já soaram os cravos e os entraves da ausência já vêm todos aí dando o grito porque é o saldo a vir das indiferenças, sim, é tempo das comorbidades quererem entrar é tempo do desalento no quarto ou nos três metros da varanda eis os pés a tez os punhos puídos e as pálpebras cansadas de insônia os cílios com poucos arco-íris em sua trajetória eis a boca algo assim cansada de berros de guerras até no amor, e assim, quando o alarme soar, não sejas tu igual a este ou esta aí acima na descrição tão triste e desanimadora. Botem para quebrar, vovó e vovô, chutando o balde e as canelas desta showciedade maluca e, por isso mesmo, boa, pois é diversificada. Vamos que vamos, ao diabo com a  velhice, com as cãs, com a bengala, com os chinelos e com os óculos, mas não com os ósculos ou beijos. Vamos, vovó e vovô, a balada está esperando, hoje recomeça a vossa juventude.

*

Visite-me: ESCRITAS: https://www.escritas.org/pt/n/l/darlan-de-matos-cunha

Darlan M Cunha: foto e texto

ror

Ai Wei Wei (China), Exposição no CCBB – Banco DO Brasil – BELO HORIZONTE, MG, 2019). AQUI: https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/o-que-fazer-em-belo-horizonte/noticia/2019/02/07/obras-do-artista-chines-ai-weiwei-chegam-ao-ccbb-em-belo-horizonte.ghtml

***

Ror é multidão, assim sendo, onde estás no meio de um cotidiano cada vez mais cheio de incógnitas, de gente, assim como a água, “saindo pelo ladrão” ? Agorafobia (uma doença, psicopatologia) é o medo incontrolável de se ver em grandes espaços abertos, assim também como há pessoas que têm pavor de lugares altos, a vertigem é insuportável, assim como é insuportável o volume da Mâe Pressa sobre todos nós.

Continuo regando meu jardim de destroços e cinzas, com boas gargalhadas. Pirei, surtei, tornei-me vizinho do Urtigão – uma quase catatonia. Talvez.

Mas de vez em quando dá-se um tempo no sossego, e volta-se para a lida diária entre os vivos, entre as mulheres que comandam, e entre os homens em polvorosa, impotentes diante dos avanços das mulheres (não confundir), sim, a showciedade muda, e não muda, e assim eis aqui a meu lado o meu amigo, entre petiscos, o diabo no meio do redemoinho (J.G. Rosa).

O Mundo é ror… mas, quando será que ele será de fato lápis de cor, caleidoscópio ou arco-íris ? AS SEMENTES DE GIRASSOL NA FOTO AÍ ACIMA FORAM FEITAS DE PORCELANA E PINTADAS À MÃO POR ARTISTAS MESTRES CHINESES. Confira o linque.

Darlan M Cunha: foto e texto