outro incerto entardecer: o Homem no chão

E LÁ SE VAI MAIS UM DIA

***

Dos roedores e insetos, dos galináceos e batráquios ao Homo sapiens sapiens

A frase terrível de Dostoiévski cabe aqui: Todos nós somos culpados de tudo. Essa outra também tem uma estirpe nada engraçada: Sou o mesmo de ontem: mas diferente. (DMC). Pois bem, todos e todas com máscara e gel, sob o pavor constante do invisível, embora seja bem visível sua presença, cuja origem ainda é de fato desconhecida. Quebrou a espinha dorsal do mundo vasto mundo gasto mundo.

Enquanto isso, o povo perambula, deambula e vira bula, mas o mundo arcará com sequelas por duas décadas, ou mais, bem perceptíveis a olho nu e cru, outras tantas percepções serão sutis, mas o fato é que aqui e ali e acolá e além-lá todo mundo está sonso, o desânimo em cada poro, a gente toda toda raivosa, fora de si, de um modo ou de outro, insones, cuja vigília dá em êmese e pirexia, sim, vômito e febre, e eis que o céu da boca tornou-se deserto, mas os e as farristas continuam de vento em popa, e por isso ouvi ontem no Mercado Central de BH a pergunta erudita: Torquemada (foi Inquisidor-Mor da Inquisição Espanhola), o que foi feito do garrote vil da Idade Média, e de antes, de depois, contra estes necrófagos, estas zinhas ?

Onde uma cama ou maca com pregos e selos para o fim deste Terror ? Não há cama para o drama que assola senhores e damas, reis e rainhas e suas ladainhas ? este que fustiga reis do rock progressivo, tanto quanto atrizes do mundo lascivo; que desarma da vida jovens e até crianças, que suga as notas musicais que tu e eu ainda temos que tocar, e que se abate sobre nós feito um cardume de piranhas, feito o veneno do baiacu, as pinças da jararaca e o veneno letal, este, sim, dos preços nas bancas ?

Darlan M Cunha

MPB-4 canta SIDNEY MILLER.Pois é, pra quê. : Pois é, pra que – MPB 4 – YouTube

MPB-4 canta MAGRO e PAULO CÉSAR PINHEIRO. Canto dos Homens – MPB4. – YouTube

Mãe

Dona MARIA JOSÉ – hoje, 13 Abril 2021: 89 anos (1932, Medina, MG)

Carta à Mãe nº 146

Dona MARIA,

segundo a Senhora, eu nasci por volta das duas horas da madrugada (teria sido já um indício desta vidinha de breu, que ninguém vive, senão eu ?), pois é, assim como os outros nove partos, tudo ocorreu bem, sem contratempo; ora por mãos de parteira, ora por mãos de médico/a, e, ainda por cima, para felicidade de toda a Família, a Senhora nunca esteve sob a necessidade de uma internação, para alegria também das mil amigas e amigos sinceros que a Senhora fez durante a sua longa e incrivelmente dinâmica existência de pintura a óleo, pintura em panos de prato, crochê, tricô, doces mil e mil salgados, chás e sopas, que nem Deus sabe, de tal forma que eu sempre digo, sempre sério, mas meus amigos e amigas, que conhecem a Senhora, sabem disso, mas ficam rindo da minha cara de sonso, quando digo que eu fico cansado só de ver a Senhora trabalhar, não sossega, está sempre com um dito popular, entre vários outros, por exemplo: enquanto descansa, carrega pedras.

Mãe, Flor entre Flores

não poderia ser de outra maneira: a Senhora nasceu de dia, veio incrementar a luz de Hélio, também conhecido pelo nome de Sol, e veio incrementar também pautas de Música, com a nota Sol, é isso, Dona Maria, Soy feliz, soy un hombre feliz / y quiero que me perdonen / por este día / los muertos de mi felicidad. (SILVIO RODRIGUEZ, Cuba).

Mãinha, meu Lema sem dilema, ó, a Senhora é O CARA

é um sonho tê-la ao lado de tanta gente, preocupada com os que moram tão perto e com os que moram tão distantes, noutro país, ou seja, 15 netas e netos, 14 bisnetas e bisnetos e três trinetas, não é fácil, não para os simples mortais, mas como eu sempre suspeitei que a Senhora veio dos Anéis de Saturno, então, é possível, foi possível, possível será.

Mãe, meu algodão doce, inveja maior de Deus e de Nossa Senhora (com todo respeito)

chega de escrever, mas já estou indo para casa, já comprei um presentinho para a Senhora – Luz entre Luzes, Suavidade entre Decibéis Exagerados, Cascata Límpida como os olhos de uma Humilde Abelhinha, sim, tudo isto e muito mais a Senhora MARIA JOSÉ foi, é e será.

MÃE e Filho, nos 89 anos da Dona MARIA.

Mil beijos e ene abraços deste filho meio desmiolado, mambembe, analfabeto, mas bom garoto

DARLAN

dominical

Eu uso tênis – antigamente chamado de quedes.

***

CLUBE da ESQUINA nº 3 – ou Venha vestir a roupa de algodão grosso dos mineiros, como fizeram D. Pedro II e a Imperatriz Tereza Cristina.

De vez em quando a cabeça dói, algum dente late, um dos sapatos põe a língua para fora em plena rua, e aí fica complicado, meu amigo, voltarás mancando para casa, minha amiga do bico fino (o sapato), sempre há pequenas surpresas cotidianas, cotidiárias, cotidiácidas, imprevistos que se muitas vezes são desagradáveis e até desesperadores, outras vezes, são até engraçados, se analisados tempos depois. Comigo aconteceu, na bela e pequena e próxima Rio Acima, de estar de terno e gravata, e ponha elegância nisso, sapatos de couro cru, um dos quais me fez o solene favor de abrir a boca na rua, mas tive tanta sorte naquele domingo, que um passante, caminhoneiro e, nas horas vagas, sapateiro, marceneiro, mestre carpinteiro e sabe lá o diabo o que mais de bom ele tem, notou o meu embaraço (embaraço, em espanhol, é embarazo, significa mulher grávida… afe!), me levou à casa dele, onde, entre risadas e cervejas, fez o conserto, ele nada cobrou, ou seja, de um imprevisto desagradável, numa cidade com história do Brasil (Rio das Velhas = ouro, minérios em geral, a meia hora de Bêagá, o imperador D. Pedro II e a imperatriz Tereza Cristina estiveram lá), ganhei um amigo de fé: José. Coisas da vida, minha nêga, como diz o Paulinho da Viola numa canção. Para terminar, não esquecer que “todo mineiro é conspirador.” É a nossa genética, nosso psiquismo muito bem arraigado.

***

Come wear the thick cotton clothes of the miners, as did the Emperor of Brazil, Dom Pedro II and Empress Tereza Cristina.

Once in a while your head hurts, a tooth barks, one of your shoes sticks out its tongue in the middle of the street, and then it gets complicated, my friend, you will go back home with a limp, my friend with the thin beak (the shoe), there are always little everyday surprises, everyday, everyday accidents, unforeseen events that, if they are often unpleasant and even despairing, are sometimes even funny, if analyzed afterwards. It happened to me, in the beautiful and small nearby Rio Acima, that I was wearing a suit and tie, and put elegance into it, raw leather shoes, one of which did me the solemn favor of opening my mouth on the street, but I was so lucky that Sunday, that a passerby, a truck driver and, in his spare time, a shoemaker, joiner, master carpenter and who knows what else good he has, noticed my embarrassment (embarrassment, in Spanish, is embarazo, it means pregnant woman. … afe!), took me to his house, where, between laughs and beers, he did the repair, he charged nothing, that is, from an unpleasant unexpected, in a city with Brazilian history (Rio das Velhas = gold, ores in general, half an hour from Bêagá, Emperor Pedro II and Empress Tereza Cristina were there), I gained a friend of faith: José. Things of life, my nêga, as Paulinho da Viola says. To finish, don’t forget that “every miner is a conspirator.” It is our genetics, our very well ingrained psyche.

Darlan M Cunha

CLUBE da ESQUINA nº2. MILTON e LÔ: https://www.youtube.com/watch?v=-83HCIbrfWU

CLUBE DA ESQUINA nº 1. MILTON (Vídeo no Blog de MOACIR SILVEIRA): https://www.youtube.com/watch?v=YkLjtrJjXEM

expressão

Sementes de girassol. Exposição na AABB, Belo Horizonte, abril 2019. ARTISTA: Ai Wei Wei – CHINA.

***

Tristeza não tem fim / Felicidade, sim. (A. C. JOBIM)

Dizem que não há tristeza mais densa do que a de se sentir vazio, sem nenhuma e nenhuma perspectiva, só breu, nem mesmo um túnel, uma toca, um nicho, uma vala, o debaixo de uma cama qualquer, o enroscar-se e dormir dentro de um velho pneu de trator, longe de si, o tormento picando e repicando feito um vizinho ensaiando pistom diariamente, sim, são muitos os transtornos bipolares, multipolares, infinitos que acometem uma pessoa, muitas vezes sem uma explicação plausível para os parentes, vizinhos e pessoas amigas, que não perceberam a dificuldade, o despenhadeiro alheio, absorvidos pela própria queda já em andamento. Psicanálise: onde estás ? Eu sei. Bom, de totens e tabus, de garrotes vis e sequelas infantis o mundo está cheio, o ventre prenhe, a cabeça oca. Os Homens Ocos / The Hollow Men, este livro de poemas do Thomas Stearns Eliot, ou A Interpretação dos Sonhos (1900), Sigmund Freud, ou A História da Feiura e a contrapartida A História da Beleza, ambos do Umberto Eco; por último, um bálsamo, um cicatrizante indiano ou hindu de nome Sakuntala (milenar). Bom, o cafezinho está me olhando de cara feia, esfriou.

***

Sadness has no end, happiness does. (A. C. JOBIM)

They say that there is no sadness denser than feeling empty, without any perspective, only darkness, not even a tunnel, a hole, a niche, a ditch, the under any bed, the curling up and sleeping inside an old tractor tire, far away from you, the torment prickling and ticking like a neighbor rehearsing piston daily, Yes, there are many bipolar, multipolar, infinite disorders that affect a person, many times without a plausible explanation for relatives, neighbors and friends, who did not perceive the difficulty, the alien cliff, absorbed by their own fall already in progress. Psychoanalysis: where are you? I know. Well, the world is full of totems and taboos, of vile forks and infantile sequels, the womb pregnant, the head hollow. The Hollow Men, this book of poems by Thomas Stearns Eliot, or The Interpretation of Dreams (1900), Sigmund Freud, or The History of Ugliness and the counterpart The History of Beauty, both by Umberto Eco; lastly, a balm, an Indian or Hindu healing agent named Sakuntala (millennial).Well, the coffee is staring me in the face, it’s gone cold.

Darlan M Cunha

A agonia da esperança / The agony of hope

Ao alcance da mão essa pedra escultura.

***

Balada do caixão  //  The Ballad of the Coffin

Por uma razão nada banal, o ar tomou o status de um ser essencial, feito mãe, da qual muito se fala, mas pouco se sabe do seu silêncio, sua doçura, insônia e dores diversas. Sim, o ar está na moda, melhor, a falta dele enche telas, panfletos, petições, orações, projetos no Congresso, motéis contritos, tudo isso devido à descoberta geral de que o oxigênio existe e é necessário, podendo ser engarrafado, quase como um refrigerante, vendido como um bem de mercado. Vacinas exigem muito tempo e ciência, custam caro, mas enquanto as pessoas continuarem com o baixíssimo índice de oxigenação da moral, será em vão toda a agonia da esperança. Antes que seja tarde demais, ainda falta que a água também seja tida como importante, apenas isto. Simples, tardiamente simples. Mas, mãe também é importante, pelo menos até cuando ya no importe* – sim, repito aqui esse título de um livro nada banal. Ar água mãe. Respirar mói ? pensar dói ?

***

For a reason that is not trivial, air has taken on the status of an essential being, like a mother, of whom much is said, but little is known of her silence, sweetness, insomnia and various pains. Yes, air is fashionable, rather, the lack of it fills screens, pamphlets, petitions, prayers, projects in Congress, contrite motels, all due to the general discovery that oxygen exists and is necessary, and can be bottled, almost like a soft drink, sold as a market good. Vaccines take a lot of time and science, they are expensive, but as long as people continue with the very low rate of oxygenation of morals, all the agony of hope will be in vain. Before it is too late, we still need to make water important too, that’s all. Simple, belatedly simple. Mother is also important, at least until cuando ya no importe*. Yes, I repeat here that title of a not banal book. Air water mother. Breathing hurts ? thinking hurts ?

Darlan M Cunha

numeral

solidão a dois // loneliness in two

***

Uma vez que outro rio seca, que as cadeiras vergam ao peso das ausências, que ninguém tem certeza de mais nada, o que fazer, onde procurar a sombra da Razão, a sementeira de novas buscas ? Embora todos tivessem sido avisados, a erva daninha espalhou-se pelo asfalto, feito rastilho de pólvora, mas apesar de tudo isso – sem essa de “falar é fácil” -, apertados os cintos, vamos ao café, ao bar, depois, cada qual com sua vassoura e espanador anti sombra. As cadeiras voltarão a estar cheias.

***

Once another river dries up, once the chairs bow to the weight of the absences, once no one is sure of anything anymore, what to do, where to look for the shadow of Reason, the seedbed of new searches? Although everyone had been warned, the weed spread across the asphalt like a gunpowder fuse, but in spite of all this – not that “talking is easy” – once we tighten our belts, we go to the café, to the bar, then, each one with his or her broom and anti-shadow duster. The chairs will be full again.

DeepL.com

Darlan M Cunha

Walter Franco (1945-2019). Nasça. https://www.youtube.com/watch?v=YS7I32k9nBk