doce lembrança // sweet memory

ELVIRO FERREIRA CUNHA, mestre em ESTATÍSTICA, pelo IBGE – meu pai (1922/2012)

***

BREVES PALAVRAS

Meu pai era um homem calado, simples, gostava muito de ler, nunca o vimos nem ouvimos levantar a voz para a nossa Mãe Maria José, 63 anos de casados. Hoje, 26 de agosto 2021, já se vão nove anos do seu falecimento. Trabalhou a vida inteira no INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Alzheimer.

My father was a quiet, simple man, he loved to read, we never saw or heard him raise his voice to our Mother Mary Joseph, 63 years of marriage. Today, August 26, 2021, it will be nine years since his passing. He worked all his life at the BRAZILIAN INSTITUTE OF GEOGRAPHY AND STATISTICS – IBGE. Alzheimer’s.

***

OUTRAS PALAVRAS

Uma grande amiga minha, Ana M., jovem doçura, e um bom humor maravilhoso, médica pediatra, me disse que uma garotinha de cinco anos foi consultar-se com ela – evidentemente acompanhada dos pais, ambos engenheiros, e que depois da consulta e da prescrição, etc, a garotinha agradeceu, e os pais também, e ela falou assim: “Doutora, eu quando é grande, eu vai ser médica, eu e o meu irmãozinho, a gente vai ajudar todo mundo.”

IN OTHER WORDS

A good friend of mine, Ana M., a sweet young woman with a wonderful good humor, a pediatrician, told me that a five year old girl went to see her, accompanied by her parents, both engineers, and that after the consultation and the prescription, etc., the girl thanked her, and so did her parents, and she said: “Doctor, when I grow up, I’m going to be a doctor, me and my little brother, we’re going to help everyone.

Darlan M Cunha: foto e texto

passar / to pass

Bairro Buritis – BELO HORIZONTE, MG. Durante 23 anos tive essa vista a partir da sala.

***

Uma canção do compositor Cartola nos diz “Tive, sim, outro grande amor antes do teu”, mas num contexto diferente deste que está nessa fotografia que eu agora revejo, um ano e meio depois de me mudar de endereço. Fatos e não-fatos reapareceram lentamente – erros, acertos, mortes na família, amigos e amigas mortos, enfim, uma salada sem vários dos ingredientes originais, é verdade, mas com muitos outros sempre prontos para quando chamados a nos chamarem de novo a atenção para a efemeridade da Vida diante da “inenarrável algazarra cotidiana da morte).

*

A song by the composer Cartola tells us “I did have, yes, another great love before yours,” it tells us in a different context from the one in this photograph that I now review, a year and a half after moving away. Facts and non-facts slowly reappeared – the mistakes, the hits, the deaths in family, friends and friends dead, changed, in short, a salad without several original ingredients, it is true, but with many others always ready for when called upon to call our attention again to the ephemerality that is Life in the face of the “unspeakable daily racket of death.

*

Darlan M Cunha: foto e texto

Mãe, teus pés são o meu rumo

MÃE

***

CARTA À MÃE nº 169

Dona MARIA,

a Senhora está dormindo, cá estou eu bebendo sins e nãos, bebendo café, rindo de mim e mais ainda do mundo, este idiota com e contra o qual se tem de lidar 25 horas por dia, mas deus – em quem não posso crer, porque sou o diabo em pessoa -, mas “deus proverá”, como a Senhora sempre diz, com essa bondade e esta alegria e esta energia aos 89 anos, que nem o poderoso chefão do céu tem, a Senhora com estes ene predicados que encantam a todos, e a quem a molecada não larga por nada.

Mãe, meu sossego, meu passatempo único (o qual muito me basta)

não se preocupe, porque a máquina de lavar roupas, que a rapaziada levou para uma troca de borracha e acho que de engrenagem, no dia de ontem, estará pronta e será entregue amanhã – sem falta, pois dei uma dura, de leve, caramba, R$490,00 o conserto, Mamma Mia ! Tive de pedir emprestado no boteco do Fuinha, pedi também para as minhas duas namoradas (até quando ? se descobrirem, estarei frito, terei de me mudar de barraco e de aldeia), um pouco também dos empréstimos veio do padre Abílio, e outro tanto veio do Gerardo Doido, bom rapaz. Mãe é Mãe.

Mãe, meu cordão de diamantes variados, minha catapulta para a felicidade

Ah, outra coisa: o dia de ontem foi de amargar, e olha que eu sempre tenho a segunda-feira como sendo, disparado, o melhor dia da semana, por ser o dia em que a galera ou o povão vai ralar, depois da macarronada e do frango e do fútilbol e do namoro dominicais, pois não há Plano B. Escute essas: A operadora de tv e/ou o banco aprontaram uma para cima de mim, que estava atrasado uns doze dias no plano de televisão de fibra ótica, sem saber, porque sempre foi débito automático, e este seu anjinho sem saber DE NADA, em tempo da Lei bater as botas sujas aqui na porta do humilde mas asseado barraco, e ainda mais nesses tempos de patologia letal, que colocou o mundo inteiro de joelhos, quando todos e todas se achavam, sim, os bonitões e gostosonas e poderosos e não se mais o quê. Menos uns poucos como eu e a Senhora, e muitas outras pessoas de bom tino. Eu tive de ir ao banco, com mil papéis e pedidos humildes, mas tive de resolver a parada. Além disso, fui procurar o rapaz para ir na casa da Senhora para ele trocar uma chave da porta da sala, a qual simplesmente resolvera quebrar-se e deixar um cotoco lá dentro, e como a Senhora tinha uma de reserva, nem foi preciso fazer outra, e não ficou nem dez minutos, mas lá se foram R$ 40,00 pilas, pilas, como se diz lá no Rio Grande do Sul, ou caraminguás, como se costuma dizer lá pras bandas do Nordeste, etc. Penso em me mudar para os anéis de Saturno, mas só se a Senhora também for comigo, pois os preços estão nas nuvens, mas Saturno fica muito acima delas. Mãe é Mãe.

Mãinha, colibri da minha existência

Não há de ser nada, não sou reclamão, a não ser quando é preciso, e isso é todo dia. Hoje, prepararei para a Senhora um delicioso chá de hortelã com legítimo mel de abelhas de Santa Bárbara, MG, onde moramos já faz um século (o tempo não espera). Sei que a Senhora está embalada em desenhar e bordar tecidos, linduras assim tão lindas quanto o arco-íris, e sei que a Senhora está um tanto triste com a volta da neta Fá com o marido e o casal de filhinhos, depois de umas semanas no Brasil, voltaram para os EUA, com muitos presentes da Vovó. Almoçaremos boa macarronada, ou chuchu com ovos, ou cará com carne moída, ou então o trio do qual a Senhora gosta: quiabo com moranga e carne de panela. Eu vou preparar, não quero ver a minha Mãe no lufa-lufa e eu bebendo café e cerveja. Toma juízo, zebedeu filisteu.

MÃE MARIA, minha brisa matinal, meu doce de batata doce com coco ralado e canela em pau

vou me despedir, sim, este seu filho meio lerdo e desmiolado, quase analfabeto, mas decerto um bom garoto já vai se despedir. Mãe é Mãe.

Dona MARIA JOSÉ, prontinha para a Abertura dos JOGOS OLÍMPICOS de TÓQUIO, entusiasmada como sempre, serelepe aos 89 anos.

DARLAN

solar

***

O que mais dizer da luz que a água absorve, e com os seres reparte, eles próprios já com a sua cota diária, algo assim tão natural que já não fazem caso dessa condição ? Sabe-se que quando o Sol morrer ainda haverá oito minutos e meio de luz – de vida. Depois, o frio benfazejo que nos livrará uns dos outros.

*

What more can be said about the light that water absorbs and shares with beings, themselves already with their daily quota, something so natural that they no longer take notice of this condition ? It is known that when the sun dies there will still be eight and a half minutes of light – of life. Then, the benign cold that will rid us of each other.

*

Cos’altro si può dire della luce che l’acqua assorbe e condivide con gli esseri, essi stessi già con la loro quota quotidiana, qualcosa di così naturale che non fanno più caso a questa condizione? Sappiamo che quando il sole muore ci saranno ancora otto minuti e mezzo di luce – di vita. Poi, il freddo benefico che ci libererà l’uno dall’altro.

*

¿Qué más se puede decir de la luz que el agua absorbe y comparte con los seres, ellos mismos ya con su cuota diaria, algo tan natural que ya no reparan en esta condición? Sabemos que cuando el sol muera todavía habrá ocho minutos y medio de luz, de vida. Entonces, el frío benéfico que nos librará de los demás.

*

Was kann man noch über das Licht sagen, das das Wasser aufnimmt und mit den Wesen teilt, die selbst schon ihr tägliches Pensum haben, etwas so Natürliches, dass sie diesen Zustand gar nicht mehr wahrnehmen? Wir wissen, wenn die Sonne stirbt, gibt es noch achteinhalb Minuten Licht – von Leben. Dann, die wohltuende Kälte, die uns von einander befreien wird.

*

Что еще можно сказать о свете, который вода поглощает и разделяет с существами, которые сами уже имеют свою ежедневную норму, нечто настолько естественное, что они больше не обращают внимания на это состояние? Мы знаем, что когда Солнце умрет, все еще будет восемь с половиной минут света – жизни. Затем – благотворный холод, который избавит нас друг от друга.

***

Darlan M Cunha: foto e texto

linha / line / línea

Silêncio, Mundo

São assim as variantes: se se mistura a tinta verde com a vermelha, surge o amarelo. O silêncio compreende que só se vá a ele por etapas, que o buscador chegue a ele após ultrapassar o possível a um monge tibetano, até chegar ao universo da costureira. Eis a concentração, onde o bolor não tem vez, e muito menos a Mãe Pressa Social.

***

This is how the variants are: if green paint is mixed with red, yellow emerges. Silence understands that one only goes to it in stages, until the seeker reaches it after surpassing what is possible for a Tibetan monk, until he reaches the universe of the seamstress. This is the concentration, where mold has no place, much less Mother Social Haste.

***

Así son las variantes: si la tinta verde se mezcla con la roja, aparece la amarilla. El silencio entiende que sólo se llega a él por etapas, hasta que el buscador lo alcanza tras superar lo que es posible para un monje tibetano, hasta que llega al universo de la costurera. Aquí está la concentración, donde el moho no tiene cabida, y mucho menos la madre prisa social.

Darlan M Cunha: foto e texto

padrão:carvão

***

Padrão tornou-se uma palavra à qual todos devem servir, num grau ou noutro, querendo ou não, ela diz ou mostra o quanto evoluímos em relação à mesmice, ao anulamento total – à demência. Pois é, padrão rima com carvão.

Darlan M Cunha: foto e texto