do lampião ao hoje

NO TEMPO DO LAMPIÃO (2)

Lampião do filósofo grego DIÓGENES – O CÍNICO (412-323 a.C.), que arrematei, e depois, para comemorar, fui colocar querosene na cachola, no famoso BARTOLO.

***

     Ninguém sabe como ele chegou até aqui, quem o descobriu, se foi roubado de algum Museu; mas isso não é possível, pois não há registro em nenhum lugar, em nenhum livro científico. O vendedor, analfabeto completo, como, de resto, a enorme maioria da nação, colou no bojo da preciosidade uns decalques para valorizá-la, sem saber o que tinha em mãos, disse ter feito um escambo, uma troca no interior de Minas, lá pelas bandas de Tiradentes, e coisa e tal, e eu acreditei, sem acreditar, porque eu logo detectei a origem exata dessa bela peça que vi com meus Olhos De Cão Azul (Garcia Marques), esta que o filósofo carregou pelas ruas de Atenas, pleno dia, dizendo que estava “à procura de um homem honesto em Atenas“. Atenas, a mãe da democracia.

     Como se vê, parece que não há mães como antigamente ( – Herege, exigimos as tuas desculpas às mães !).

     Como se vê, quanto à honestidade, à proteção do patrimônio público e a muitas outras coisas mais, autoridades de todas as latitudes e longitudes continuam as mesmas (salvo as famosas honrosas exceções).

***

foto e texto e risos: Darlan M Cunha

olongocorredordoaprendizado

v

Mercado 1

Mercado Central de Belo Horizonte (1929), MG, Brasil

***

     Um dos livros através dos quais iniciei o aprendizado do idioma russo (33 letras) foi o da professora Nina Potapova, isso há décadas, numa representação cultural da Rússia, em BH, que ficava no edifício Rembrandt, na Rua São Paulo, região central. Lembro-me de ter ganho um relógio, num concurso feito pela modesta mas diligente instituição, e de tê-lo dado de presente à minha irmã Telma. O tempo fez o que sabe fazer, condenado a si mesmo, o espaço contraiu-se, para uns tantos, expandiu-se para o quase nenhum, mas eu continuo, o idioma russo continua (cinco ou seis idiomas sobreviverão), tu continuas, e enquanto não se descasca de todo a trama mundial, vamos ao mercado, ao lugar onde, segundo o poema do Bertolt Brecht:

Para ganhar o pão, cada manhã

vou ao mercado onde se compram mentiras.

Cheio de esperança

ponho-me na fila dos vendedores.

(BERTOLT BRECHT. Antologia Poética. Poema “Hollywood”)

***

foto e crônica: Darlan M Cunha

acrobata (todos nós)

acrobata

os nós das ruas

***

     Hoje é aniversário do quem e do que não existe, e parece-me que sou o único conviva, pelo menos o único até agora a comparecer ao ato; talvez haja bufê caprichado, com as últimas da novela das oito, ou alguma frase da novela das nove, um conto sobre futebol talvez seja lido, alguém dirá algo sobre estrela de cinco pontas e candelabros de sete e de nove pontas, senão de mais; outro entusiasta dirá que a barragem destruída já está de pé, redesenhada revista reprocessada regulamentada em papel cuchê e coisas e tais. Quero é outro tipo de vinho com estricnina, cansado de lesmas, bagaços de leis, alusões ao bom e ao melhor, liquidações a granel, no varejo e no atacado (vendo mãe e pai, mulher, filhas imprestáveis, filhos e enteados parasitas, a bandeja de prata de minha avó materna, e o chicote de couro cru com cabo de prata e marfim, muito usado pelo meu avô paterno (“Vais ter com mulheres ? Não esqueças o chicote” – Nietzsche escreveu no Assim Falava Zaratustra. Mas não se vejam com esse mesmo tipo de pensamento, nem com aquele tipo de atuação).

     Todo dia é aniversário do Diabo, e ele sou eu, em muitas medidas – foi o que disse  teresa batista, cansada de guerras e de outras inclemências.

***

Foto e sátira: Darlan M Cunha

Um lugar para todos: histriônicos, felinos, paus-mandados, frenéticos do sexo pro- agressivo, artífices das flores do mal, de solstícios e equinócios repintados à mão [falsos]; sinônimo de perigeu, há porcos-espinho, víboras e salamandras, salários sem crédito, motoristas a soldo da firma A Inenarrável Algazarra da Morte, enfim, eis um lugar para além do bem e do mal – pois é na rua que as coisas acontecem

Minha Neguinha 1

uma das “namoradeiras” de Sabará, MG, Brasil

***

LETRAS DE MÚSICAS

Eu faço samba e amor até mais tarde, não tenho a quem prestar satisfação. Escuto a correria da cidade, que alarde, será que é tão difícil amanhecer ? (Samba e amor. Chico Buarque)

Era um homem que vivia lá com seus botões. Sempre dizia que ser homem não é só ter colhões – tem-se que viver, enfrentar a corrente, desde cedo (Um homem, por dentro. Darlan M Cunha)

Desilusão, desilusão, danço eu, dança você, na dança da solidão (Dança da Solidão. Paulinho da Viola)

Tire o seu sorriso do caminho, que eu quero passar com a minha dor (Nelson Cavaquinho // Guilherme de Brito  // Alcides Caminha

***

foto: Darlan M Cunha

uma casa de pernetas, daltônicos, gagos, lábios leporinos, fans de rock proagres- sivo, estudiosos de minhocas e do bicho-da-seda, duetos do globo da morte – a rua

a luta

Ó vida, margarida !

***

Eu quero é botar meu bloco na rua
gingar, pra dar e vender*

     Numa das muitas vezes em que passei pela avenida Nossa Senhora do Carmo, BH, um pouco desviado da minha rota mais comum para casa, deparei-me com esta cena, nem digo espetáculo. Todos já viram este cenário, palco, luta de gente botando seu bloco, seu oco nas ruas, até porque é preciso estar atento e forte. É a cabeça, irmão.

     Assim como a rua é uma casa muito engraçada, também é memória de panos negros, de painéis de cabeça para baixo, um grito parado no ar, e logo ali num bar as conjecturas, as filosofias de mal casados, descasadas, separadas, amaziados, desquitados, roedores de unhas (onicofagia), e por aí vai este longo rosário de sapatos cheios de pedrinhas que a suicidade comporta.

     Eu também quero botar meu ovo na rua.

***

foto e texto: Darlan M Cunha

VISITE: https://www.poemhunter.com/darlan-m-cunha/

Entre (e fique)

 

suprarreal

uma casa muito engraçada*

***

     Antes que o mundo se perca de vez, me mudarei para a beira de um rio já escolhido, pequeno, talvel ainda esteja limpo naquela data, no qual ficarei pescando pensamentos, maldizendo cobras e lagartos, rindo-me de mim mesmo e de outros motivos, mastigando folhas de azedinha, sem me preocupar com solilóquios e premonições, com síndrome de esquizofrenia, o hábito de falar sozinho e odiar calado aumentando a pressão interna até explodir e ser internado, ó, nada de acusma, alucinações de origens diversas, delírios, até chegar à catatonia ou ao suprassumo da perda de discernimento que é a cacofagia (em que o doente//paciente come as próprias fezes), não, nada disso me comoverá, e não irei aonde não devo, atento à minha própria guerra, e não às escaramuças mundo afora.

     Assim, antes do cataclisma final, o mundo cheio de cinzas, um silêncio só havido antes do mundo existir, estarei pescando, nu, à espera, o riso e a música por testemunhas. Após os últimos estertores do mundo eu me levantarei e deixarei a antiga sesta, começando um novo tempo, um admirável mundo novo. Quem viver, verá.

***

Foto e texto: Darlan M Cunha

maldades da mamãe

DSC01125

roscas

    Tive um único livro sobre alimentos na minha biblioteca, a qual doei quase toda quando me mudei – um livro sobre alimentos típicos do Pará (sou mineiro da gema e da clara). Pois bem, pensando nos ocos da vida, fui rever Dona Maria, e eis o que encontro, saídas do fogão, com outros petiscos mais, o que ela faz constantemente: roscas. Ela sempre fica tramando biscoitos de polvilho, tortas de frango, doce de batata doce com coco ralado, biscoitos de coco, doce de requeijão, biscoitos “doidão”, pudim, pastéis…

     No próximo domingo, 28, ela (85 anos) embarcará para os EUA, para estar durante meses com filhas, filhos, genros, noras, netas, netos, bisnetas, bisnetos e duas trinetas ou tataranetas, já nem sei mais. E eu irei às padarias.

***

foto e texto: Darlan M Cunha

ir

carrinho de mão

gerenciar a própria vida

     Estou de mudança, mas não para Pasárgada, ou NYC. Talvez eu reveja o convite para Brasília, pois, se quero mudar de ar, todas as possibilidades devem ser avaliadas. Dizem que na terra brasiliense ainda há sombra e água fresca suficientes para novos peregrinos e aventureiros, e até para gente de bem, embora que para entrar no redemoinho seja preciso muito jogo de cintura – sambra frevo maxixe xaxado bolero guarânia chamamé carimbó xote bugio bossa-nova galope-a-beira-mar chorinho…

    Mas o melhor é esquecer a cidade da catedral dos dedos de concreto, ir em surdina pela madrugada, inciente de tudo=ciente de nada, ou seja, às cidades invisíveis, montado num cavalinho de platiplanto, platero e eu, mas é certo que não irei para compostela, fátima ou para a canudos atual, e nem para aparecida.

     Enfim, aonde ir, nesse tempo de arritmias ? Nunca li Une saison en enfer. Para quê, se atuam junto a mim e a ti os braços do inferno social de hoje e de sempre ? Ontem, achei moeda de cinquenta centavos na Rua Bonfim, ao lado do cemistério de mesmo nome. Bons auspícios para a mudança. Irei.

*****

Foto e texto: Darlan M Cunha

Belafoto

;

DSC01803

Manhã de 14/05 na Av. Olegário Maciel, em frente ao Mercado Novo. BH.

*

     No dia 12 de maio de 2017, hackers colocaram 150 países de joelhos (cento e cinquenta), entre hospitais, instituições financeiras, governamentais, escolas, fábricas de automóveis, etc. O mundo sentiu, sente e sentirá o preço cobrado pela invasão, pela sátira, o peso dos punhos da justiça hacker, como um boxeador que recebe um upper cut, que vai a knockout – ou quase. Há quem aposte que foi coisa dos chineses, embora a China também tenha sido atingida; outros dizem que tudo começou nos EUA, outros culpam de frente a falha da Microsoft, mas, agora, a culpa está sendo deviada para uma personagem ate então fora deste jogo mortal: a Coréia do Norte. (Obs.: Quando você for a Seul e a outras cidades do país, evite dizer Coréia do Sul. Diga, Coréia, somente).

À boca pequena (ouvi sobre isso no Jornal da Manhã, TV SIC, Portugal, 15/04), aventa-se que isso pode ter começado com serviços secretos, mormente o dos EUA, porque todos criam ferramentas para sondar o outro, e o conteúdo pode cair em mãos erradas. Meu PC nada entende disso, treme, entalado com visitas à sua mesa pobre. Estes hackers exigem pagamento para desbloquearem computadores, feitos com a moeda virtual BITCOINS, difíceis ou impossíveis de ser rastreada.

     Se me derem o desprazer de um dia visitarem meu mocó BOLSO FURADO, morrerão à míngua na casa de quem aqui e agora vos escreve, e que até ri da infinita imbecilidade que nos assola, o ganho pelo ganho, a extorsão, a sátira. Just for laughs // Só rindo. Und es werden immer mehr // E eles são cada vez mais. Não falo e nem escrevo em coreano, e também não em inglês. Em português, sei dizer bom-dia.

     Mas, por qual motivo um pobre diabo com trânsito escassíssimo na Grande Rede do Grande Irmão, que nem sabe o beabá da web, deve contratar antivírus, se John McAfee, criador de uma das mais afamadas marcas do ramo, criador do antivírus McAfee, disse não usar antivírus no seu computador. Mas, vender para milhões de desesperados por segurança, pelo que não existe, ah, isso ele vende. Menschliches, Allzumenschliches // Humano, demasiado humano, como diria Friedrich W. Nietzsche. No entanto, pensando para além do bem e do mal, fico ou não fico com o presidente desertor de antivírus ? Já basta o que passei com o famigerado Avast, com outros. Não quero chorar, Dr. wannacry.

     Why you abandoned the antivirus? Are we antivirus users being abandoned? Why?

*

Foto e texto: Darlan M Cunha

De última hora, e a propósito desta postagem, NÃO deixe de ler sobre este garoto: https://www.tecmundo.com.br/ataque-hacker/116671-especialista-matou-wannacry-o-ransomware-assustou-o-mundo.htm?utm_source=tecmundo.com.br&utm_medium=internas&utm_campaign=quenteshoje:

Os tempos não mudam de todo… fingem.

pelourinho

doce chibata, amado pelourinho, santo capitão-do-mato, gentil patrão

*

     Até mesmo em Belo Horizonte, cidade quase pacata, se comparada a muitas outras, usar os coletivos tornou-se uma fonte de apreensão e de desprazer, principalmente se você não tem paciência larga, se tem o estopim curto, daqueles que ficam bem perto do barril de pólvora. É o meu caso essa tipologia pessoal e intranferível, mas não intransferível como um cartão de banco, uma URL, uma senha, ou o RG – embora cada vez mais tudo esteja tornando-se vulnerável. Eu disse “quase”. Hackers e piolhos.

     A quantidade de caronas nos ônibus, ou seja, aqueles ônibus que carregam as pessoas através das veias da cidade, é simplesmente de pasmar. Entram, ficam de pé ao lado do motorista, ou assentam-se no lugar onde os idosos põem os pés, quando não se sentam nas poltronas a estes dedicadas, não perdem tempo em cumprimentar ninguém, vários deles com roupas de “grife”, feitas no Paraguai, e seguem conversando, como se tivessem nas mãos o futuro da cidade e do mundo. Talvez até já estejam neste patamar, ou quase. Eu disse “quase”. Não se dignam a olhar para os parvos que estejam ao lado, à frente ou na parte de trás do comboio, certamente porque se sabem distantes,  alijados das benesses do establishment. Assim, parece que cabe a nós trazê-los para a luz, mas não contem comigo, tenho repolhos e tomates para cuidar, lagartas feitoras de seda, totens e tabus, fantasmas, etc. Além disso, preciso ler psicanálise, neurologia, sociologia, música, prosa e poesia, enfim, continuar a aprender a ler e escrever. Êpa !, a panela de pressão está apitando (e este “apitando” serve também como alusão aos fatos sociais).

     Essa postagem me fez lembrar de um poema que é, com justiça, tão famoso: um texto do poeta Eduardo Alves da Costa, de nome No caminho com Maiakóvski, um texto que vai fundo, décadas após escrito, ele ainda bate contra o marasmo, a vontade bamba, o que dá espaço para tipos como os caronas acima citados.

Foto e crônica: Darlan M Cunha

PALIAVANA4: https://paliavana4.blogspot.com

POEM HUNTER: https://members.poemhunter.com/members/club/profile.asp?member=5647848

*****

     Trecho do poema de Eduardo Alves da Costa (1936 – ), escrito na década de 60. Pseudônimo: Diana Gonçalves. Trazido do RECANTO DAS LETRAS: http://www.recantodasletras.com.br/poesias/5655034

NO CAMINHO COM MAIAKÓVSKI

Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

*****