nublado

Raposos – MG

***

Salmo do Espanto / Psalm of Astonhishment

Não se tenha dedos só pra sonhar, Senhor sem Anéis, não te escondas nas promessas que há na raiz da fala onde se cavam túneis sem fim

não te atenhas só a um vício, não, faz deles uma casa ampla forrada com o veludo carmim do medo, ó Bom Pastor de Óbitos Diários nas Aldeias

Senhor, fazei também de mim um instrumento do vosso samba-jazz: pistom tocando muralhas em ré sustenido maior, ou baquetas fornicando com a argamassa do medo

Ó Pastor das cabritas e das ovelhas, tenras criaturas em sua sina de servir, eis aqui e ali a cerviz curvada dos pequenos pastores brilhando sob o cutelo do sol

temos em nós, peregrinos e peregrinas, momentos de dúvida e desespero, como este que agora nos assola – mundo lindo, mundo findo, sem que nenhuma luz se veja – nem a Tua.

Profeta Landar 69 : 21

***

Don’t have fingers only to dream, Lord without Rings, don’t hide yourself in the promises at the root of speech where endless tunnels are dug

do not cling to one vice alone, no, make of them a wide house lined with the crimson velvet of fear, O Good Shepherd of daily deaths in the villages

Lord, make me also an instrument of your jazz: piston playing walls in D major, or drumsticks fornicating with the mortar of fear

O Shepherd of the goats and the sheep, tender creatures in their fate to serve, behold here and there the bent neck of the little shepherds shining under the cleaver of the sun

we have in us, pilgrims, moments of doubt and despair, like this one that now besets us – a beautiful world, a world at an end, with no light to be seen – not even Yours.

Prophet Landar 69 : 21

Darlan M Cunha

pensar

Genética… e Preconceito

Tubo

Sem outro assunto, por isolado que estás, resta pensar
num lugar menos árido do que essa cama em decúbito costal,
um tempo ímpar surge para se pensar e repensar que
de degrau em degrau a razão perdeu o tato [a vida não],
e agora, deitada num silêncio quase vácuo, entre passistas
e maestros de ótima cepa (entre o avental e a rua), a razão
analisa seus imbròglios antigos e novos, grandes e pequenos.

***

Tube

With no other subject, as isolated as you are, you can only think
a less arid place than this bed in costal decubitus,
an odd time arises to think and rethink that
from step to step reason has lost its touch [life has not],
and now, lying in an almost vacuum silence, among passersby
and maestros of great stock (between the apron and the street),
reason analyzes its imbroglios old and new, large and small.

Darlan M Cunha

JOHANN SEBASTIAN BACH – Cantata 147. Jesus, Alegria dos Homens // Jesus, bleibet meine Freund: https://www.youtube.com/watch?v=oZkaEaRYIJY


E agora ? And now ?

O viajante silencioso

*

Demasiado desumano

ele viaja no núcleo do descuido

após um silencioso trabalho

vai cortando os dias

e roendo as noites

e nenhuma estrela social está livre

de sua escala de fobias.

Ele invade o núcleo social

desperto do anonimato

abre a canção do desespero

não imita: sabe

do trigo e da falta

da alegria, enfim, em falta.

Quando de nada se abre mão

e a vida já não é moeda

de tudo se faz mais questão

mas, sem aviso, sutil

(com um número na testa)

o Nada se espalha

pelo desleixo geral – usura

da boca até as mãos.

***

The silent traveler

*

Too inhuman

he travels in the core of carelessness

after a silent work

it cuts through the days

and gnawing the nights

and no social star is free

from his scale of phobias.

He invades the general core

awakened from anonymity

opens the song of despair

he doesn’t imitate: he knows

of wheat and lack

of joy, at last, in lack.

When nothing is given up

life is no longer currency

everything is questioned

but, without warning, subtle

(with a number)

the Nothingness spreads

through general neglect – usury

from mouth to hands.

Darlan M Cunha

DeepL.com // Tradutor

suave

O olhar agudo da espera

Dentro de toda espera poderá haver outra costura, // e decerto há muitas, antigas, ganhas ou perdidas. Se toda espera é rumo desejado, // alado ou lerdo, a ele não se dê as costas, // neste rumo alguma resposta espera – feito janela.

A ameaça

Consta que toda ameaça clara tem lado oculto. // Resta ir de passo raso ou fundo, // que a outra face é logo // ali, talvez ainda hoje, mas certamente // amanhã ela surja no seu melhor // estilo – cantando feito cigarra ou grilo.

Darlan M Cunha

ângulos diversos

Identidades

A discrição que esteve ausente reapareceu de sopetão em Brasília, certa prudência reapareceu, sim, revigorando os fatos, fazendo bulício entre as cobras (Cadê o pau ?, alguém perguntou a respeito disso, palitando os dentes em frente ao BAR DO MANÉ DOIDO, no Mercado Central de BH). Se um dia é escuro, o outro poderá não ser. (DMC)

@2.

a boca que conheça razões para de rumo // mudar, e não só gritar de morrer (Darlan M Cunha. Esboços e Reveses: O Silêncio, p. 41. Editora CBJE, Rio de Janeiro, 2008)

Quanto mais acentuada for a introversão, tanto mais rígidas e inflexíveis vão ficando as convicções dos indivíduos desse tipo. (Carl Gustav JUNG. Tipos Psicológicos)

Há quanto tempo assim ? Não sabia, não podia saber, não queria saber. (Autran Dourado. Ópera dos Mortos)

Quando eu casei, também estava chovendo. Que posso fazer eu contra tal recordação ? (Osman Lins. Avalovara)

As datas são para o esquecimento, mas fixam o homem no tempo e trazem múltiplas conotações. (Jorge Luís Borges. Prólogos)

Atravessar o que nos nega, chegar ao Sim. (Vicente Franz Cecim. Viagem a Andara)

Urrando. Enchendo o sertão, a solidão // de berros comoventes, diferentes. (Cora Coralina. Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais)

Viajo os rumos trocados as ruas que se invertem
Distâncias que se encontram pernas que se perseguem (Denise Emmer. Cantares de Amor e Abismo)

Algumas mulheres escolhem seguir os homens, e outras escolhem seguir seus sonhos. Se você está se perguntando em qual direção seguir, lembre-se de que sua carreira jamais acordará de manhã e dirá que não te ama mais. (Lady Gaga).

Darlan M Cunha, Convidados & Convidadas

doce de requeijão & outras frequências

É um doce inigualável, poucos conhecem o que ele faz com os labirintos das sinapses cerebrais, com o palato, a língua, o estômago e por fim com o humor das vítimas…

@1.

Um bom requeijão é difícil de ser encontrado, mas ainda há, e isso é fundamental, e então nada de requeijão esfarinhento, ressecado, este é um ponto base. Algo do peso: um quilo. Então, ralar o requeijão num ralo fino, misturando com duas colheres de farinha de trigo (sem miséria nas colheradas, ora) e um ovo (clara e gema), ir amassando como se fosse massa de biscoito, para dar certa liga, sem untar as mãos (que o óleo é do próprio requeijão). Faça as bolinhas, e numa panela forte e larga, vá preparando a calda de açúcar com cravos e, caso queiras, um pedaço de pau de canela, e a partir daí colocar cuidadosamente as bolinhas na calda bem quente. Quando no ponto, deixe-a esfriar, pode-se inclusive colocar na geladeira. Este é um doce que é ou era comum no norte de Minas Gerais – Vale do Jequitinhonha. Este foi preparado aqui em casa, em BH. Criminosamente delicioso, muito cuidado com a dependência, quem avisa amigo é. Minhas avós, já falecidas, e minha mãe, toda serelepe aos quase 89, e eu, um aprendiz relapso, garantimos a tua escravidão a esse doce.

@2.

O presidente da República está brincando com fogo, ele, que serviu no Exército, entende de outro tipo de fogo, se é que. Seu fim político não será nada bom para ele, o Brasil não sentirá nenhuma falta de tanto despreparo, de tanto analfabetismo social, analfabetismo no que tange a se ter uma visão sociológica abrangente (sim, de fato, é para poucos). O país, em que pese ter muita gente desleixada, não sentirá falta nenhuma.

As notícias: como decifrá-las, traduzi-las, tê-las na conta das próprias mãos ? “É pau, é pedra…” diz a canção Águas de Março.

@3.

UM CONCEITO DO GRANDE BRASILEIRO QUE FOI O ENGENHEIRO E PRESIDENTE DO GRUPO VOTORANTIM, O Dr. ANTÔNIO ERMÍRIO DE MORAES, (1928-2014), DE UMA HONRADEZ À TODA PROVA: “Teoria não é a solução para os problemas sociais do Brasil. O que se precisa fazer é arregaçar as mangas, melhorar a administração das verbas e aplicá-las diretamente onde a questão é urgente.” (Antônio Ermírio de Moraes (1928-2014), engenheiro, filho do também engenheiro e fundador da VOTORANTIM, José Ermírio de Moraes. Antônio Ermírio o sucedeu na direção da Empresa).

@4.

Passagem comprada, resta esperar a madrugada, sem se desesperar dentro dela (são 03:22h), indo à casa sem número, nua de tiques e taques. Isso aqui é muito triste, ficou assim um clima bem macambúzio, ácida a correnteza, nenhum livro na cabeça, nas esquinas das aldeias parece que o que há é a réplica bilimultiplicada da tela O Grito, do norueguês Edvard Munch (1863-1944), quando não a reiterada, sutil e tão profunda solidão nas telas do estadunidense Edward Hopper (1882-1967), bem como no ar de incerteza de Os Ciclistas, do gaúcho Iberê Camargo (1914-1994), e, por fim, a tensão na música Água e Vinho, de Egberto Gismonti e Geraldo Carneiro.

Estrogonofre de frango

@5.

Às vezes, lembro-me dos que se foram, amigos e amigas de fato, e uma lassidão poderosa instala-se por tempo indeterminado, ou mesmo até que eu os expulse a todos e todas, mandando eles e elas às favas, ó, não mais me interrompam o coçar dos dedões dos pés, sim e sim, uma verdadeira amizade – o povão diz isto -, costuma ser mais forte e duradoura do que o famigerado sentimento de amor, sendo que um dos dois, ou ambos, deve(m) carregar o peso e a leveza do tempo de verbo grego (tempo indeterminado), antigas palavras oaristo e aoristo.

@6.

Amanhã, levarei minha Mãe para a segunda dose da anti COVID-19. Desejo que todas as Mães tenham este real conforto, este alívio, essa boa prescrição rumo ao sossego delas e deles que são o Esteio familiar: vovós e vovôs.

bairro Buritis, BELO HORIZONTE, MG

Darlan M Cunha