Louvaminhas numa quinta-feira

DSC02020

calos da terra

*****

 

Louvados sejam o sal e a cal que tudo demandam em prol de ti

louvados sejam os trevos que nos enchem os nervos

com canseiras maiores do que pode a cama absorver e comutar

louvemos os aríetes com que derrubarmos demências na forma de muros

embora que por algum tempo os muros nos salvem do Outro

nos salvem de nos revelarmos de todo a nós mesmos

louvados sejam o prumo para a construção e o arroz ao lado do feijão

a boca cheia de tufões ou de formigas senão de vontades esquecidas

mas tanto no céu da boca quanto no céu divino o que há de fato

escapa à compreensão cabal do nome e do sobrenome cada vez mais

sem escala própria sem identidade sem aquilo que é ainda pior

de não se ter à mão: a intimidade e a vontade própria e consciente para agir

tornando padrão o exato necessário ao teu chão – o sim e o não.

*****

cozinha, foto e poema: Darlan M Cunha

não responda não pergunte*

Av. Prof. Mário Werneck... Buritis, BH

O cerebelo da Era Lula // Temer no Museu do Futuro

*****

       O cerebelo age sobre os movimentos ou reflexos voluntários, coordena a postura corporal, responsável pelo tono muscular, etc. Pois bem, dizem que o governo – o qual está sendo julgado neste momento, no Congresso Nacional, ou não, porque há os que advogam uma abstenção de voto – está em perigo, pois é isso mesmo o que acontece com quem anda em más companhias.

       Eu também cometi esse engano, ene vezes, esquecido dos conselhos da mamãe Maria José, conselhos de toda mãe: – “Filho, fique longe dessa gente, dessas más companhias. Procure um ofício, mude-se de cidade, vá morar com seus avós maternos ou paternos”, dizia-me a mãezinha, hoje com 85 anos, mas tudo em vão, pois o Mal é um ímã poderoso, capaz de cegar até certos governos, tornando-os desgovernos. Só rindo, chorando.

       Como diz a canção do ilustre compositor Walter Franco, “é a cabeça, irmão”, e essa outra também do próprio: “não pergunte, não responda”.

*****

foto e texto: Darlan M Cunha

(bairro Buritis, Belo Horizonte, MG)

elementos

Lagoa da Pampulha 1

Lagoa da Pampulha, BELO HORIZONTE, MG

*****

 

       Em agosto, o vento dá as caras por aqui, e ainda que não mate, cresta os rostos e dá asas aos anúncios, às placas de trânsito e às saias. As mãos, por terem pouca irrigação, sofrem suas picadas. Mas o que é o vento natural diante dos ventos sociais, quase nunca de bem com a saúde do cotidiano ? Lembro-me do poema Congresso dos Ventos:

 

Na várzea extensa do Capibaribe, em pleno mês de agosto

Reuniram-se em congresso todos os ventos do mundo;

Àquela planície clara, feita de luz aberta na luz e de amplidão cingida,

Onde o grande céu se encurva sobre verdes e verdes, sobre lentos telhados, […]*

 

       Em agosto, que a vida seja leve, que as vítimas não saibam de nada, comentários se abram (como é difícil deixar umas palavras, talvez porque falar cansa, escrever dói – é o que parece). Em agosto, não se ouça a palavra julho, talvez seja melhor citar setembro, o amanhã, mas um sambista diz que meu tempo é hoje.*

*****

foto e texto: Darlan M Cunha

dia sadio

The King, The Balistic Missil, WindMan

Quenianos e etíopes, com todo o respeito que lhes é devido, que se cuidem.

*****

     O que aqui se faz aqui se paga, diz o povo, em sua sabedoria, deixando de fora deus e o diabo, que o acerto seja feito aqui, que aqui se pague o faroeste, a lei de Talião, de Salomão, do Rubicão, do Chicão e de quem mais, ou não, pois há tantos erros e crimes não pagos que o melhor é levar em conta que desvios conscientes de conduta tomaram conta dos lares (ainda existem ?), das ruas, das casas públicas.

     O mar é museu de cuspo branco, de jogar suas anáguas na praia, de vomitar um caldo negro muito antigo de enome poder & discórdia, com prazo marcado para acabar. O que se faz aqui, aqui se paga, diz o povo; e se há pragas de gafanhotos e de formigas, se há virologias renovadas nas esquinas, o homem não desanima, que o instinto não permite baixar a guarda, e até mesmo as pedras reagem ao fim, escondendo-se no próprio pó, pelo que ninguém mais dirá que uma pedra no meio do caminho. Sem pedras não há como construir uma educação pela pedra, e nem pela pedrada.

*****

foto e poema: Darlan M Cunha

https://paliavana4.blogspot.com

Minha Lenda, escritório

DSC01920 (2)

 

     O escritório abre às sete, às vezes, às oito, senão às dez. Importar e exportar ideias de ganhos e perdas, que um não vive sem o outro, muito embora que, de acordo com uma canção, o sol não pode viver perto da lua. Música é música, negócios à parte, ganhar é o que há, viver é para ganhadores, é o mote sob o qual trabalha o escritório. Faça-nos uma visita, ainda que só para o cafezinho.

*****

foto e texto: Darlan M Cunha

AQUI, uma espetacular interpretação do UAKTI, tocando Águas de Março (Tom Jobim): https://www.youtube.com/watch?v=YtFs4emQixk

 

Na vendinha da aldeia ouça Valsinha de Vila

VENDINHA

Restaurante Rancho Fundo – Buritis, BH, MG

*****

     Mesmo ciente de que a sua sabedoria está cada vez mais sendo posta de lado, o povo, teimoso que só, ainda leva consigo certas marcas, nódoas, luzes de sempre, e a música exige estar em seu lugar, a música: mãe dos doidos, irmã dos atazanados, filha do sal e do açúcar. O mesmo povo com seus ditos, chistes, sarcasmos:

– Só em casa de mineiro é que a gula não é pecado.

– Enquanto descansa, carrega pedra.

– Sou madeira que jegue não rói.

*****

texto e foto: Darlan M Cunha

UAKTI toca VALSINHA de VILA: https://www.youtube.com/watch?v=676JHKfL8HM

infância

DSC02047

Restaurante Rancho Fundo (entrada falsa) – Buritis, BH – MG, Brasil

*****

     Tempo de assombrações, espantalhos nos quintais e nas plantações, missais, a língua das camaleoas e dos lagartos da aldeia, o afogado, a demente das ruas, pipas, sanhaços e urubus, marmelada e macarronada domingueiras, pelada na rua, na praça, no campo, no adro, um bilhete raspou a felicidade, o prefeito amputado, a prefeitura idem – há ruas descalças mas prontas para a chuva quanto para alguma festa. Pensei nisso ao fazer de novo uma foto deste restaurante vizinho a mim- quase um pequeno sítio.

*****

foto e texto: Darlan M Cunha

tapioca

DSC01957

à esquerda, com pesunto; à direita, com banana

*****

     – Vamos viver de brisa, Anarina.* Viver de brisa, foi como o poeta Bandeira escreveu. Enquanto a brisa não vem, deixemos de lado as casas com suas normas, armas, karmas, bravatas e gravatas, e vamos comer tapioca, pastel, pavê, pitomba, peru, peixe e o que mais houver. A brisa talvez venha. Talvez, porque o caráter do vento é duvidoso.

*****

cozinha, foto e texto: Darlan M Cunha

40

DSC02019

Minas Gerais – by Múcio Matos Cunha. Pintor, desenhista de moda. BH, MG (1957-87)

*****

       Essa tela está completando 40 anos, pintada por um dos meus irmãos, falecido no mar em Nova Almeida, ES. Ela dá uma boa ideia das cidades históricas não só de Minas, como também da Bahia, do Rio de Janeiro, de Goiás, etc. Mudei móveis, telas e livros de lugar, e ontem eu a estava observando, quando me dei conta do ano em que foi pintada, e lá está, no canto inferior direito: Múcio – 77. A vida é minuto. De novo, repito Niemeyer. Ele tinha cerca de vinte anos ao pintá-la. E de novo a arte ficou.

*****

foto e texto: Darlan M Cunha

teclado

teclado

     Seja pisando em ovos, nas nuvens, no barro, em cacos de vidro, em brasas nas festas de são joão ou de são pedro ou do diabo, em cédulas falsas ou originais, nas palavras e nos atos da oposição, nas memórias pessoais e gerais, nas oportunidades (dizem que não voltam as boas oportunidades perdidas, das quais muitas vezes só mil tempos depois a pessoa se dá conta do que deixou escapar, por soberba, ignorância, apatia), o caminho se dá a ver, entre favos e favas, alguma trilha mostra as pernas, põe luz verde no indicador, grita por trás de um rochedo, cabendo a cada um/uma ir de vez, de ponta-cabeça, de xuá, seja lá, fazendo razia como um falcão ou um jato de guerra (já titubeei tantas vezes, que estou desacreditado até mesmo entre as pedras, pedras que tantos versos me ocuparam). Melhor mesmo é meter-se no teclado do piano, entrar no domingo, no feriado, nas férias, na aposentadoria, na morte em vida severina.

*****

foto e texto: Darlan M Cunha