Guerreiras G

Bolo de mandioca.com coco ralado

Bolo de mandioca com coco ralado (Dona Maria José, 86)

 

@1

Em categorias e tags o melhor é usar aqui uma única palavra: delícia. Dizem que mães e avós nos acostumam mal, de maneira que, volta e meia, mesmo já marmanjo, casado ou não, a gente está sempre fazendo uma visita àquelas mesas que estão sempre abertas.

@2

Ficar numa estação de viagem (Pedro pedreiro, penseiro, esperando o trem)*, alta ou baixa madrugada, ouvindo o silêncio interior, o vento, os passos de algum passageiro afobado, ouvindo um grito recém solto lá no Iraque. Mala na mão, vais partir…

@3

Tens saudades, rapaz, do tempo mochileiro ? Ainda é tempo, garoto, guarda no baú estas lembranças, ajeita o fluxo sanguíneo na cabeça (É a cabeça, irmão)*, toma o pulso do dia e da noite, e vá para onde o nariz apontar. Ainda há tempo, menina. Conhecer é mais.

***

Foto e texto: Darlan M Cunha

 

Anúncios

Guerreiros 10

DSC07528

Uma longa e sinuosa estrada // A long and widing road *

***

     Assentar-se numa estação de trem, madrugada, silêncio, pensamentos lerdos mas ternos, alguém à espera, ninguém à espera no fim da viagem que se iniciará mal raie o dia, sim, madrugada na estação, madrugada no mundo, dia bem claro no mundo, é preciso comer este sanduíche, mastigar pensamentos soltos como nuvens, eis o amor e o ódio, feito água e óleo – ou não ?

 

Foto e texto: Darlan M Cunha

abstrato

PhotoFunia-1522948429

***

     Viver escondido em abstrações, os punhos e os pés envoltos em veludo, seda ou algodão, porque todo cuidado é pouco nesses tempos de privacidade nula, portanto, melhor agir de leve, levando nossos cristais entre algodão, que a louça é frágil, que o andaime pode cair (e se acabou no chão feito um pacote bêbado).*

 

Duas fotos interiores, texto e arte: Darlan M Cunha

Base para as fotos: PhotoFunia

morro minas

bairro BELVEDERE, BH

Vista da ‘parte de trás’ do elegante bairro Belvedere, BH

***

    Tudo está salvo, menos um detalhe, menos outra pendência, menos aquilo que os amantes não se disseram, tudo foi salvo das chamas e das águas sulfurosas, ora, nada como estar em dia com a razão, o sono bem posto, o riso em toda a sua explosão, os bolsos cheios de viagens, nada como ir ao bar ou tirar a maçã da boca de uma leitoa assada, cujo estalido da pele crocante se faz ouvir pela casa, ó, a vida é boa – dizem -, mas para isso as coisas devem estar a salvo dos descuidos do Homem.

Foto e texto: Darlan M Cunha

facho

IMG_20180512_105549 (2)

***

     Nada como um sol atrás do outro, embora a penumbra também seja para todos, democrática, tanto para os céticos quanto para os crentes, para todos. O rumo das coisas tem um passado, mas só o amanhã interessa, segundo alguns, segundo muitos. Eis a showciedade presa num metrô, com um sorriso meio assim-assim, mas não há o que fazer senão ir em frente, ainda que demente e impotente, mas sempre confiante de que as coisas sairão do círculo vicioso.

 

Foto e texto: Darlan M Cunha

Guerreiras F e Guerreiros 9

Exército Branco

Exército Branco

 

     Hoje, domingo 3, por volta das 10 h, eu estava colocando textos em ordem, totalmente ligado no assunto, quando, de repente, saltei da cadeira e corri até a janela para ver que diabo de alvoroço era aquele que enchia as varandas e janelas dos apartamentos… e eis que vejo e ouço essa maravilha de Banda, com adultos, jovens e crianças. Fui para o céu, logo eu. Sim, gente boa, hoje eu vi a Banda passar.

Foto e texto: Darlan M Cunha

Guerreiros 8

DSC02650

Zé, o fujão… sossegado, em plena manhã.

 

A História seria muito diferente sem os cavalos, jegues, mulas, éguas… enfim, essa turma bacana. Viva os muares, e abaixo “certos políticos”, diz uma amiga, bióloga.

Foto e texto: Darlan  M Cunha

 

Guerreiras E

DSC00650

currículo de ajuda

     Comprei um conjunto de cama, de quatro peças, para a minha mãe. Nada demais, pensei, mas algo ainda me inquieta, até porque nunca sou de lhe dar presentes em mais um desses dias de invenção comercial. Às vezes, em plena segundona, dia nenhum, dia de ralar, levo para ela algum regalo, e isso faz diferença. Vá lá, mãe é mãe, diz o povo

     mas eu me pergunto: – O que me falta para dar a ela o que nunca conseguirei ? De antemão, sei que não adianta esbravejar, espernear e gritar palavrões antigos e recentes, não adianta beber feito gambá no alambique, porque essa dúvida atroz não sairá de mim, de tanto que está grudada na pele quanto nos órgãos internos.

O que fazer, quando a alegria é maior do que nós ? Longa e macia vida às mães todas elas.

*****

Foto e texto: Darlan M Cunha

Guerreiros 7

DSC07525

Aquiles e o Cavalo de Troia

 

     Eis o legionário, o combatente de baixa e de alta patente, outro soldado sozinho no campo da justa, embora cercado de pares e ímpares por todos os lados, sabe que está sozinho, e treme e não teme, baba e não baba, fere e é ferido de morte ou mais longe do umbigo, longe das partes altas. O soldado está sempre a soldo por glebas, terras e águas de outros impérios, e o chão e o rio são vermelhos, o céu é escuro da cor de sangue coagulado, mas o soldado deve ir, quer voltar para casa, outros não querem, outros parecem que já nem se importam em ficar para sempre em terras infiéis, longe de um amor deixado lá atrás, impossível paraíso que o soldado carrega bem preso por trás da couraça. O amor é algo único porque nos acompanha, mesmo quando não existe mais. Será por isso que se diz que, às vezes, o amor se parece com um “presente de grego ?” Não creio, não crês, não cremos ?

 

Foto e texto: Darlan M Cunha

Planos

IMG_20180501_100400

purgatório / inferno / inexistente   >>>   purgatory / hell / nonexistent

@1

Uma das modas ou leis não oficiais de hoje é a de se levar no bolso um Plano B, para quando as dificuldades para se impor o Plano A se tornem agudas, ou quase, e aí então entra esta variante já famosa e indispensável nos tempos modernos, tempo da Maratona Para O Óbvio, de modo que todo mundo tem um plano reserva, todo mundo é um plano reserva, para si, senão para os outros. Resta saber.

@2

“Na entrada do inferno deve haver muita folia, atrações sem fim”, alguém disse numa roda de bebidas e tira-gostos, fiquei pensando sobre aquilo, e ri todinho por dentro e por fora, e logo tirei a roupa, em plena luz do dia, no meio do mercado, e mostrei a todos com quantas canoas se faz a tal liberdade infinita, mostrei-lhes a rubra roupa louca, chifres, rabo peludo, um odor inigualável, mas ninguém se importou, ninguém teve pavor, pelo que depreendi que o Diabo tão querido e temido já não se cumpre como tal, não, já não se faz Diabos como antigamente. Soluços com tira-gostos.

 

Foto e texto: Darlan M Cunha