Darlan visita Ai Wei Wei – final

couro de vaca >>> [clique]

pátio interno coberto


Praça da Liberdade – BH, MG

***

Caminante, no hay camino. Melhor que não se façam de desentendidos todos aqueles e aquelas, presos no seu vácuo, lembrados do mínimo grão de mostarda, cientes de si e dos fantasmas dantescos nesta frase ou conceito: Nel mezzo del camin di nostra vita… Olha, aqui e ali há um arroubo, a Fenícia não está longe, está ali e hoje se chama Líbano, tudo é grande e médio, senão pequeno, tudo é medido, dois mais dois são o interesse de cada lado, veja que horas são, pois mal começa o dia e ele já avisa que é noite, e tu vives aí com uma pequena dor pelo erro do cáustico ciúme, há-se que cumprir tantos tratos, e para que te sintas palpitante é preciso que sintas o desafio: Arbeit macht freiheit, e aí está o dilema de se entender, ou não, o que se diz, quando se diz Caminante, no hay camino.

***

Série idealizada por: Darlan M Cunha

EGBERTO GISMONTI toca O TRENZINHO DO CAIPIRA (HEITOR VILLA-LOBOS): https://www.youtube.com/results?search_query=EGBERTO+GISMONTI%2C+TRNZINHO+DO+CAIPIRA

Anúncios

Darlan visita Ai Wei Wei, n. 10

elos


madeira brasileira

***

Quando eu nasci, Carlos, esteve e está comigo, mais que um anjo, algo para além-lá do Inexplicável. Lembro-me de estar coçando o bilauzinho, após o farto colostro, e de ficar observando aquele bando de imbecis no meu entorno, e fiquei pensando ‘quero voltar para a caverna’, mas obviamente tal feito não é possível, e ali fiquei nas minhas altas considerações metafísicas, com total desdém por aqueles paparicos, a cerveja rodando, a cachacinha, os salgados tradicionais mesmo em casa financeiramente modesta. Ainda estou de pé, ó itabirano, mais ou menos de pé, entanto lutamos, como está no poema O Lutador: “A luta mais vã é a luta com palavras. Entanto lutamos.” Bom, vamos ao que o dia nos oferecer, estou sempre arado, faminto, doido de sede e fome, e todo dia é de luta entre o mal e o bem, dia de deus e do diabo na terra do sol.*

***

Darlan M Cunha

ANTONIO CARLOS BRASILEIRO DE ALMEIDA JOBIM. “WAVE”. https://www.youtube.com/watch?v=f44qgQA1B-g

Darlan visita Ai Wei Wei, nº 9

Muita história neste mural >>> [clique na foto]

***

A primeira vez que vi um morto, fí-lo meu, ou seja, era de mim mesmo que se tratava, e o levei e ainda levo para todos os lados, ou é o contrário ? Ah, estas infinitas perquirições metafísicas, estas transpirações filosóficas, e estes tantos dentes cariados da sociologia ainda nos dão pruridos, cefaleia, e então é preciso dar cobro a isto. No mais, futebol e novela aboli, mas falta muito chão, como se diz, sempre faltará, até que já não saibamos mais de nada. Todos nós somos murais, caleidoscópios, quebra-cabeças, trevos, somos todos os sinônimos de rio, espelhos, rotatórias, moedas de troca.

***

Darlan M Cunha

BADI ASSAD toca e solfeja Ponta de Areia (Nascimento / Brant): https://www.youtube.com/watch?v=_BzlFX9s1LA

Darlan visita Ai Wei Wei, nº 8

BOCA DO TEMPO

*

MONSTRÓPOLE

*

PORCELANA CHINESA


Sonhava com um crachá para tocar sanfona no fim do mundo, lá no inferno, sonhava trancos e barrancos, lambanças e outras sustanças, seu sono era difícil, inexistente, e nem queria clonazepam ou diazepam e outras tantas inutilidades perigosas que podem causar dependência, e assim prosseguia fazendo sua estrada, suas águas tão rasas e profundas, límpidas e imundas, era uma pessoa de fácil trato, mas já estava cansada de tanta incongruência, de tanta aleivosia, tanta patifaria em toda a História, sim, não houve Era justa ou na qual os parâmetros diários fossem feitos, executados de modo que esta loucura não se abatesse sobre todo o populacho, e por aí vão tantas dúvidas e dilúvios consigo mesmo, suas cobranças secas, esta cova em que estás, canta e grita, sonha em matar alguém, e muita gente já foi morta pela sua postura diante do mundo, e ainda falta gente, e então esta pessoa sonha com ovos e óvulos, ou seja, a gênese, e toca viola com o capeta atrás, também este bem ali tocando alaúde, rabeca, viola de dez mil cordas com sons nunca antes navegados, para lá de divinos, portanto, sua trajetória continua, sua estrada é de belezas e tristezas indizíveis, intraduzíveis. Sem nome e sem sobrenome.

Fotos e textos: DARLAN M CUNHA

Darlan visita Ai Wei Wei, nº 7

*País concreto ou imaginário ?

*

trisavó

*

*

No meio da foto, talvez o própro artista

Certa vez escrevi que qualquer criança na China tem mil anos ou mais, pelo que olham a Grande Muralha sem nenhum espanto, mas com alguma glória e soberba, isto porque foi ela a defender a nação contra os bárbaros. Pois bem, aquelas crianças de olhinhos bem espertos pescam peixes com cormorões, de geração em geração, as aves mergulham e retornam com um peixe de cada, vez enterrado em sua garganta, na qual os pescadores silenciosos amarram uma espécie de fita – e o jantar está duramente garantido. Vou para a China, morar na base da Grande Pirâmide. Chega de firulas, de fútilbol, de noivelas, de carneval, a previdência ainda sem saber para onde vai, a quem atender, os mensalões, odebrecht, estupros, hospitais falidíssimos, times de fútilbol devendo dezenas de milhões à Previdência, e por aí vão certas coisas.

Fotos e texto: Darlan M Cunha

Darlan visita Ai Wei Wei, nº 5

DUAS FIGURAS [título original] >>> (clique)
*

gente-caranguejo >>> [clique]

@1 -Enquanto ela gritar ou ralhar comigo, puxando-me com a insistência diária até quase me rasgar a camisa, estará tudo bem, assim saberei se estou vivo ou semivivo, sim, pelo menos para isto nos sirva o furtivo, sábio, dúbio, precoce ou tardio amor que roi os tíbios e os tigres. Não tendo amor, sou célula à parte.

@2– Ó, bom mesmo é ir a pé, ainda que igual aos caranguejos, se ande para trás, ainda que com bolhas e nervuras na sola dos pés, febril e irado, com ganas de destrossos, com todo respeito, caminhando e cantando, ir dizendo Caminante, no hay camino, el camino se hace caminando. (António Machado. Espanha, 1875-1939).

@3 – Caso se reencontrem, o sensato é ficarem juntos, após tanto fósforo, tanta ciência queimada em vão, não, nada é totalmente em vão, portanto, o sensato é ficarem juntos, calmos ou amaziados com a impertinência.

@4 – Caranguejos são cientes de si, isto significa que sabem do mangue, do mar-seu-mundo, mas desconhecem que os homens são bons no cada-um-por-si (caranguejos também são individualistas, o universo todo), que os humanos são criaturas que amam os caranguejos, amam uma caranguejada na panela de barro contra a usura de sua fome sempre ferrosa. Mulheres e homens são arados, sinônimo de famintos, sempre, e isto é sua glória e perdição, construção e demolição. Bicho dúbio é o bicho humano.

@5 – Ela não se cansa de dizer o que lhe dá na telha, idiomas inescrutáveis, rindo-se de um jeito que nem o Diabo, eu tenho suspeitas de sua verdadeira identidade, ela talvez esteja travestida de ser humano, usando e abusando deste desmiolado que vive só do imaginário – porque a minha fé é o delírio, sem ele, sou apenas humano. Enquanto a minha imaginação der luz às minhas asnices, ou seja, me orientar rumo a continuar mais fora do padrão, estará tudo bem.

Fotos e texto: Darlan M Cunha

Darlan visita Ai Wei Wei, nº 4

cor corar coral coralina corante quaral quarador

*
a criança pensa e ultrapassa horizontes


Destas proposições, alguma há de restar: morrer sem um A ou um Z atrás de si, ou seja, sem herança – mas isto é impossível, porque todos deixamos rastros; ou viver conforme as novas leis, adaptações estas às quais é preciso atentar, ou ser um nerd, ou uma auto exilada social, e sabe-se lá o que mais. As crianças logo percebem o que as rodeia, e até mesmo notam o mais além do seu entorno imediato, mas cuidamos de tirá-las da opinião própria, de lhes dar logo no café da manhã um sim e vários nãos. Beber café, e ir ao que haverá, e também se bebe mágoas com água de coco e pedra de gelo, e se nada nos pode intimidar, isto se deve ao fato de se ter opinião própria (a garotinha na foto está com ela mesma). Feriado, o país está parado; se é dia de muda, vai à luta, ainda que vá pela metade, ou nem isso.

*

O DIA COMEÇA É NA MADRUGADA


Míriam chegou sem alarde, talvez da montanha ou do mar

ou tenha vindo de algum lugar maior do que a imaginação,

silenciosa feito um peixe ou um feixe de sol nas paredes

ela veio e ficou, e nada parece incomodá-la, mas é preciso

estar atento aos traços de uma mulher, espertas por natureza

e por necessidade social, por sua necessidade de defesa

diante da História sempre desfavorável a elas. Mulher é menos ?

Não para essa Míriam, e para muitas outras, e assim ela vai

como um Don Quixote, de calça comprida, de bermuda ou nua

sob sol e chuva (“Com sol e chuva você sonhava” – diz a canção),

sorrindo dentro dos tênis brancos ela vai levando seu Enigma.

*

Fotos e textos: Darlan M Cunha

Música: Tudo o que você podia ser. CLUBE DA ESQUINA (Milton Nascimento canta): https://www.youtube.com/watch?v=GGmGMEVbTAY