passar / to pass

Bairro Buritis – BELO HORIZONTE, MG. Durante 23 anos tive essa vista a partir da sala.

***

Uma canção do compositor Cartola nos diz “Tive, sim, outro grande amor antes do teu”, mas num contexto diferente deste que está nessa fotografia que eu agora revejo, um ano e meio depois de me mudar de endereço. Fatos e não-fatos reapareceram lentamente – erros, acertos, mortes na família, amigos e amigas mortos, enfim, uma salada sem vários dos ingredientes originais, é verdade, mas com muitos outros sempre prontos para quando chamados a nos chamarem de novo a atenção para a efemeridade da Vida diante da “inenarrável algazarra cotidiana da morte).

*

A song by the composer Cartola tells us “I did have, yes, another great love before yours,” it tells us in a different context from the one in this photograph that I now review, a year and a half after moving away. Facts and non-facts slowly reappeared – the mistakes, the hits, the deaths in family, friends and friends dead, changed, in short, a salad without several original ingredients, it is true, but with many others always ready for when called upon to call our attention again to the ephemerality that is Life in the face of the “unspeakable daily racket of death.

*

Darlan M Cunha: foto e texto

modos

RELÓGIO-CARANGUEJO NO MUNDO NO PAÍS CARANGUEJO. Bar do VALTINHO – MEDINA, MG

***

Às vezes, quase sempre, a humanidade mostra quem ela é de fato, o que ou o quanto ela quer e/ou pode, até porque, como diz o povão, na sua insígne escuridão, querer não é poder, mas ninguém segue este conceito ou preceito, vai mais além, e torna as coisas ainda mais difíceis, um sapo difícil de ser engolido. Só rindo, depois, chorar. Neste satírico relógio aí acima, num bar da cidade onde nasci, Medina, no Vale do rio Jequitinhonha, MG, essa beleza dá um tapa de luva e um chute venenoso na bunda da Showciedade. Só rindo, sem chorar, a não ser chorar de rir, de tamanha cegueira cotidiária (não te lembras do José Saramago, no Ensaio sobre a Cegueira ?), de tantos caranguejos danando-se intra e extramuros, eis que nas ruas, nos lares e escritórios não há lugar em que a santa e pagã estupidez não tenha vez de primazia, ó agonia.

Calma, garota, calma, rapaz, vai dar tudo certo, tudo vai bem, tudo legal, cerveja, samba, e amanhã, seo Zé, se acabarem com o teu carnaval ?, diz a canção Comportamento Geral, do saudoso Gonzaguinha, que morou aqui na Pampulha. Mas, vamos que vamos, Uai, ainda que no rastro ou no dizer da plebe ignara, da súcia mefistofélica, da ralé social, dos párias (uma das castas da Índia, bem rente ao chão). Vâmo qui vâmo, coroados e coroadas, à sempre-viva, sempre rindo, ó vidinha obscura é este enredo pela metade, e quase tudo se torna ou fica no dandismo, feminismo, machismo, e mil outros ismos, e no domingo aquela galinhada e aquela macarronada, segunda-feira é só outro dia – sábias palavras. Bom, vou cuidar da minha horta, porque plantar jardim só nos dá a feroz inveja alheia, o Cão nosso de todo o sempre; então, nada de pôr a barba de molho ou de esquentar sofá, abrindo a geladeira, o mundo é vasto mundo, mesmo ou ainda se mais pegando fogo:

REGIÃO do bairro ESTRELA DALVA, VISTA A PARTIR DO APÊ no bairro BURITIS, BELO HORIZONTE.

Nada como uma noite diferente, a qual talvez seja capaz de nos fazer pensar de um modo diferente a respeito de tantos fatos a dois palmos do nariz, que passam despercebidos. Neste fogaréu aí acima, felizmente, ninguém se feriu. Fiz a foto, e continuei a fazer o que sei: pensar, e então, que a ação sugerida no verbo agir só venha em função disso: pensar. Calma, boa gente, tem coisa boa para essa tua sexta-feira, dia 14:

E MAIS NÃO E DIGA… BENVINDOS, AMIGAS & AMIGOS.

Darlan M Cunha

ELZA SOARES canta COMPORTAMENTO GERAL (GONZAGUINHA): https://www.youtube.com/watch?v=Ttn6V_r3D9Y

artífices & ditados

ZAUSS GOMES – Luthier, Bairro Santa Cruz, BHte, MG. Pessoa afável, de bom trato.

***

Conheci ZAUSS GOMES, luthier, por acaso, numa visita ao meu tio e às minhas tias maternas, que moram próximas à casa e à lutheria dele. Acho que foi em 2014, num domingo – tenho certeza do dia, não do ano. Não importa, porque amigo não tem data, gente boa extrapola essa miudeza de nomes & sobrenomes, dias com data – como já escrevi em textos aqui no WP e nalguns dos meus livros publicados e não publicados. Vi o cartão de visitas que ele me deu, à época, e faço então estoutra postagem em consideração a todas as pessoas às quais eu chamo de “manuais“, embora todos nós sejamos manuais, de uma forma ou de outra, mas estes e estas, para mim, são diferentes, não melhores, mas me encantam de uma maneira especial: marceneiros, carpinteiros, pintores, pintoras, escultoras, pintores de parede, oleiros, luthiers, rendeiras, fazedores de pipas e de piões (aqueles que precisam ser jogados ao solo, enrolados num barbante ou cordinha especial, lembra ?). Ah, os luthiers ou construtores e consertadores de instrumentos musicais têm que ter um olho e um ouvido muito especiais, têm que conhecer madeiras, lixas e colas, aparelhos próprios, miúdos, antigos, enfim, esses caras são mesmo para lá de anormais, isso mesmo: para lá de anormais, além de terem uma paciência também ela anormal. E quando o instrumento chegar às tuas mãos, cuida bem dele, pois, do amigão.

***

Já que estamos remanescendo, eis alguns ditados populares, todos eles na boca da minha mãe que, sempre contente, superior às inúmeras vicissitudes dela e da Showciedade em geral, está sempre dizendo algo assim da vivência popular:

1. Sou madeira que jegue não rói. (imagine os dentes de um jegue roendo um mourão).

2. Quem dorme com criança amanhece molhado.

3. Cada um no seu canto chora seu tanto.

4. Quem não tem pão, caça com o quê ? (paródia cruel com o original. A responsabilidade é deste “esmiuçador de pândegas alheias”).

5. Antes uma andorinha voando do que duas nas mãos.

6. Quem corre, se cansa; quem anda, alcança.

7. O pouco com Deus é muito.

8. Com as roupas e bocas dos mortos se vai à igreja rezar pelos vivos.

9. Se vai chover ? Pergunte aos pingos.

10. Quem canta seus males espanta.

11. Deixe o que comer, mas não deixe o que fazer – OU – não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje.

*****

Darlan M Cunha

borocoxô

banco da estação ferroviária de ITABIRITO, MG

@1.

Borocoxô é uma palavra linda, cheia, muito embora signifique pessoa que está alquebrada, desanimada, uma pessoa coxa, enfim, aborrecida com algo que a está desgastando. Hoje, como sempre, fim de madrugada, enquanto coava café, “passava” o café, a danada apareceu, de repente, ela reapareceu, talvez instintivamente pelo fato de que eu não estava me sentindo 100%. É como dizem as mulheres: “é um mistério”.

Em que nos tornamos: NÚMEROS SOMENTE NÚMEROS SENHAS SEM ROSTO VAI PIORAR VAI MELHORAR

@2.

Meu nome de guerra e meu número no Exército eram: Darlan – 5024. Depois, vieram mais tantos que morri enforcado neles, enroscado, enrolado, vitrificado, sim, tornei-me zumbi e depois já nem isso, fluí, saí de mim totalmente, e só respondo se me chamam por algum dos meus números ou senhas, mas, para isso, tenho de consultar uma arcana (gostou do termo “arcana” ?) caderneta com os tais Segredos de Estado, ou não dará para lembrar quem sou.

Para 5 estrelas nenhum botar defeito nesta bendita refeição (Tenho crédito: Foi um ano protegendo Você).

@3.

Ainda frequento alguns amigos que encontrei quando no Exército. Alguns faleceram, e outros eu não mais os vi, mas continuam conosco todos aqueles e aquelas que de uma forma ou de outra passaram por nós, por longo ou curto tempo. Esta é a nossa arquitetura psíquica, a visão perante o Mundo, ou Weltanschauung – palavra cara à psicologia, alemã.

ADOÇEMOS, IRMÃS e IRMÃOS, NOSSA BOCA, NESSE TEMPO AMARGO (E TAMBÉM O CORAÇÃO).

@4.

Aguenta firme, meu caro, é o último inverno. […] Mas quais eram os meus próprios sentimentos durante esse tempo ? Em que pensava eu ? Com quê ? Em que disposições morais me debatia ? Eis aí, eu estava todo inteiro…

SAMUEL BECKETT (1906/1989 – Prêmio NOBEL LITERATURA 1969, Irlandês). Extraído do livro O INOMINÁVEL, p. 36, EDITORA NOVA FRONTEIRA.

***

Canto dos Homens – MPB4. – YouTube

Darlan M Cunha

ar é mais

Três equipes em campo, jogo duro, por enquanto, 2021 x 3 para FOLHAS & VENTO contra VARREDORES

As pessoas aterrorizadas e tristes, será preciso muito mais do que simples mudança da sociedade, mas confio em que esta surra avassaladora, mortal, possa mudar certas atitudes deploráveis. Será difícil, não impossível, desde que muitos/as se toquem perante essa falta de ar, e que haja Governo. Confio estar em minha porta, para sentir a leveza, após esta caçada ao pavor do mundo, esta sombra mutante, com mil truques, este sinónimo de fôlego morto, camas ausentes e famílias destruídas.

Meu exame Corona Vírus-19, de 14/04/2021, feito em Belo Horizonte, por gente amiga de conversa luminosa, o qual eu tenho aqui em mãos o resultado, deu nisso: Não detectável.

***

People are terrified and saddened, it will take much more than simply changing society, but I trust that this overwhelming, mortal beating can change certain deplorable attitudes. It will be difficult, not impossible, as long as many are touched by this breathlessness, and there is Government. I trust to be on my doorstep, to feel the lightness, after this hunt for the dread of the world, this mutant shadow, with a thousand tricks, this synonym of dead breath, absent beds and broken families.

My Corona Virus-19 exam, dated 04/14/2021, done in Belo Horizonte, by friends of good standing, luminous conversation, which I have here in my hands the result of, gave this: Not detectable.

Darlan M Cunha

UMA PEQUENA/GRANDE AMOSTRA, NO VÍDEO FEITO POR UMA DE MINHAS IRMÃS, DE COMO SOMOS AFETADOS, DE UM MODO OU DE OUTRO, DIA E NOITE: Vídeo… ATLANTA-SÃO PAULO.mp4 – YouTube

dominical

Eu uso tênis – antigamente chamado de quedes.

***

CLUBE da ESQUINA nº 3 – ou Venha vestir a roupa de algodão grosso dos mineiros, como fizeram D. Pedro II e a Imperatriz Tereza Cristina.

De vez em quando a cabeça dói, algum dente late, um dos sapatos põe a língua para fora em plena rua, e aí fica complicado, meu amigo, voltarás mancando para casa, minha amiga do bico fino (o sapato), sempre há pequenas surpresas cotidianas, cotidiárias, cotidiácidas, imprevistos que se muitas vezes são desagradáveis e até desesperadores, outras vezes, são até engraçados, se analisados tempos depois. Comigo aconteceu, na bela e pequena e próxima Rio Acima, de estar de terno e gravata, e ponha elegância nisso, sapatos de couro cru, um dos quais me fez o solene favor de abrir a boca na rua, mas tive tanta sorte naquele domingo, que um passante, caminhoneiro e, nas horas vagas, sapateiro, marceneiro, mestre carpinteiro e sabe lá o diabo o que mais de bom ele tem, notou o meu embaraço (embaraço, em espanhol, é embarazo, significa mulher grávida… afe!), me levou à casa dele, onde, entre risadas e cervejas, fez o conserto, ele nada cobrou, ou seja, de um imprevisto desagradável, numa cidade com história do Brasil (Rio das Velhas = ouro, minérios em geral, a meia hora de Bêagá, o imperador D. Pedro II e a imperatriz Tereza Cristina estiveram lá), ganhei um amigo de fé: José. Coisas da vida, minha nêga, como diz o Paulinho da Viola numa canção. Para terminar, não esquecer que “todo mineiro é conspirador.” É a nossa genética, nosso psiquismo muito bem arraigado.

***

Come wear the thick cotton clothes of the miners, as did the Emperor of Brazil, Dom Pedro II and Empress Tereza Cristina.

Once in a while your head hurts, a tooth barks, one of your shoes sticks out its tongue in the middle of the street, and then it gets complicated, my friend, you will go back home with a limp, my friend with the thin beak (the shoe), there are always little everyday surprises, everyday, everyday accidents, unforeseen events that, if they are often unpleasant and even despairing, are sometimes even funny, if analyzed afterwards. It happened to me, in the beautiful and small nearby Rio Acima, that I was wearing a suit and tie, and put elegance into it, raw leather shoes, one of which did me the solemn favor of opening my mouth on the street, but I was so lucky that Sunday, that a passerby, a truck driver and, in his spare time, a shoemaker, joiner, master carpenter and who knows what else good he has, noticed my embarrassment (embarrassment, in Spanish, is embarazo, it means pregnant woman. … afe!), took me to his house, where, between laughs and beers, he did the repair, he charged nothing, that is, from an unpleasant unexpected, in a city with Brazilian history (Rio das Velhas = gold, ores in general, half an hour from Bêagá, Emperor Pedro II and Empress Tereza Cristina were there), I gained a friend of faith: José. Things of life, my nêga, as Paulinho da Viola says. To finish, don’t forget that “every miner is a conspirator.” It is our genetics, our very well ingrained psyche.

Darlan M Cunha

CLUBE da ESQUINA nº2. MILTON e LÔ: https://www.youtube.com/watch?v=-83HCIbrfWU

CLUBE DA ESQUINA nº 1. MILTON (Vídeo no Blog de MOACIR SILVEIRA): https://www.youtube.com/watch?v=YkLjtrJjXEM