Darlan visita Ai Wei Wei, nº 4

cor corar coral coralina corante quaral quarador

*
a criança pensa e ultrapassa horizontes


Destas proposições, alguma há de restar: morrer sem um A ou um Z atrás de si, ou seja, sem herança – mas isto é impossível, porque todos deixamos rastros; ou viver conforme as novas leis, adaptações estas às quais é preciso atentar, ou ser um nerd, ou uma auto exilada social, e sabe-se lá o que mais. As crianças logo percebem o que as rodeia, e até mesmo notam o mais além do seu entorno imediato, mas cuidamos de tirá-las da opinião própria, de lhes dar logo no café da manhã um sim e vários nãos. Beber café, e ir ao que haverá, e também se bebe mágoas com água de coco e pedra de gelo, e se nada nos pode intimidar, isto se deve ao fato de se ter opinião própria (a garotinha na foto está com ela mesma). Feriado, o país está parado; se é dia de muda, vai à luta, ainda que vá pela metade, ou nem isso.

*

O DIA COMEÇA É NA MADRUGADA


Míriam chegou sem alarde, talvez da montanha ou do mar

ou tenha vindo de algum lugar maior do que a imaginação,

silenciosa feito um peixe ou um feixe de sol nas paredes

ela veio e ficou, e nada parece incomodá-la, mas é preciso

estar atento aos traços de uma mulher, espertas por natureza

e por necessidade social, por sua necessidade de defesa

diante da História sempre desfavorável a elas. Mulher é menos ?

Não para essa Míriam, e para muitas outras, e assim ela vai

como um Don Quixote, de calça comprida, de bermuda ou nua

sob sol e chuva (“Com sol e chuva você sonhava” – diz a canção),

sorrindo dentro dos tênis brancos ela vai levando seu Enigma.

*

Fotos e textos: Darlan M Cunha

Música: Tudo o que você podia ser. CLUBE DA ESQUINA (Milton Nascimento canta): https://www.youtube.com/watch?v=GGmGMEVbTAY

Anúncios

Darlan visita Ai Wei Wei

Darlan visita Ai Wei Wei (quebrando uma porcelana da Dinastia Han – 206 a.C.- 220 d. C.)
Clique na foto e leia o poema por trás dela.


Fugindo da fome, do ódio, vão ao mar, rumo à Europa ou… ao fundo.
Montagem com caixotes tipo guarda-roupa: uma ilusão sensacional

No domingo, 14, fui visitar Ai Wei Wei no CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil, no complexo de museus modernos, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte. É uma exposição que dá uma ideia geral da atividade deste artista tão controvertido (a China devolveu-lhe o passaporte em 2015, se bem me lembro, mudou-se para a Alemanha, indo depois meter-se de carne e osso na rota de fuga para tanta gente no cansado mar Mediterrâneo, etc). Muito lúcido, ele diz que os artistas não precisam se tornar mais políticos; os artistas precisam se tornar mais humanos.

Darlan M Cunha

Choro Loco. YAMANDU COSTA: https://www.youtube.com/watch?v=pUgSr2-ifnY

galeria

Galeeria MPB

galeria mpb

***

 

     A gente não escapa do passado, pelo menos não de todo. Pensando bem, tudo vai com a gente, às vezes, olho por olho, dente por dente. O amor é antigo, o medo é antigo, licores são antigos, de casa em casa, de boca em boca, de mão em mão, paciência e imaginação, algum tipo de fé sempre quer morar com a gente, o riso está por um fio, morrerá ainda este ano, este mês, esta semana, amanhã, hoje – talvez não, isso porque milagres acontecem, diz o povo. A música, parece, inventou o tempo e o espaço, embora certos cientistas digam que nem um e nem outro existam de fato, mas o canhoto Leonardo da Vinci, que também era músico, disse que la música è la figurazione dell’invisibile. Para Platão, a música é uma lei moral, e por aí vão certas variações quanto à importância dela. Um dia, minha modesta mãe, muito religiosa, que adora música e gosta de cantar, me disse algo que irá sempre comigo: “Filho, tudo é sagrado, mas se tem três coisas sagradas são: mãe, água e música.” Nunca me esqueci.

***

Foto e Texto: Darlan M Cunha

Hoje: Dia Mundial da ALZHEIMER