Urtigão

Urtigão

Urtigão: personagem criada por Dick Kinney e Al Hubbard

*****

 

      Cinco da manhã, a caverna sob neblina, eu preparava chá-bravo, e me inquietei pelo sumiço da criatura lá nas profundas dos infernos, esgueirado-se no anonimato, como é do seu feitio tão conhecido e invejado pelo resto do mundo.

Todos querem ser Urtigão, pelo menos um dia.

     Ri na madrugada ao me lembrar do meu amigão do peito, irascível, mas que se abre comigo, rindo de modo a espantar deuses e demônios, ariranhas e javalis, pisamos em cobras, no rabo de lagartos e na cabeça de pequenas rãs multicores venenosíssimas, que comemos assadas, porque nós somos mitridatizados, ou seja, imunes a venenos.

Todas querem ter Urtigão, pelo menos um dia.

     URTIGÃO disse que gostaria de alegrar o mundo, e topei essa ideia na qual já estamos trabalhando, pelo que tristezas vão rolar, e até o inferno será pouco para tal espetáculo, e a visão de Nero pondo fogo em Roma não dá nem para o nosso cafezinho, porque até as nuvens se encherão de labaredas, e assim é que vai chover diferente.

Todo mundo quer aderir ao modo Urtigão de viver, pelo menos um dia.

     Como dizem os avisos das emissoras de televisão: Next / A seguir / Aguarde…

 

*****

Imagem: WIKIPÉDIA

Personagem criada por Dick Kinney e Al Hubbard

Texto: DARLAN M CUNHA

Anúncios

Arqueologia, e a sensação do primeiro livro

FIGURAS RUPESTRES ENCONTRADAS NAS CAVERNAS DA REGIÃO DE LAGOA SANTA

Pinturas rupestres encontradas na região de Lagoa Santa, MG, Brasil

*****

 

     Nunca se esquecerá da sensação sufocante ao receber em casa os exemplares de seu primeiro livro, sufocante teor de alegria, pasmo, trêmulo, ali estava diante daquilo que tantos veem como sendo “um filho”. Bebeu um trago e deitou-se já sem peso, e não havia ninguém no mundo, só ele e as pessoas que lhe haviam povoado o imaginário, e todos estavam longe, embora do outro lado da rua, ele os alijara para poder pensar em algo ou em nada, um pouco sobre o fato de estar vivo, pendente para um lado ou para outro lado, bem ou mal, claro ou escuro, e lembrou-se da música A Flor e o Espinho,* pelo que se vê que há marcas mais duradouras do que a marca no couro de bois e vacas, e a razão pela qual as garotas não se esquecem do primeiro sutiã e nem da menarca. Assunto não falta ao imaginário, à memória, e assunto não falte ao errante violeiro.*

 

*****

Foto e texto: DARLAN M CUNHA

ESCRITAS: https://www.escritas.org/pt/n/t/59099/tua-vez

balsa

Travessia do Jequitinhonha, na balsa

Travessias diárias numa balsa no Rio Jequitinhonha, MG

***

     Com sol e chuva você sonhava… Tocando essa música, lembrei-me das travessias numa balsa no Rio Jequitinhonha, no nordeste de Minas Gerais (o rio, hoje, como tantos outros mundo afora, está combalido, não o direi raquítico, mormente na época das cheias), e o garoto ia sobre aquele piso de madeira levando gente, bicicleta, carro, burros, bodes, sacos de aninhagem, galinhas presas pelos pés umas às outras, gente rindo e gente muda, gente indo ou voltando da feira, crianças indo ou voltando da escola, e eu lá, apavorado e fascinado (tenho medo de água grande, por isso acho que seria uma boa ter ficado no útero), sabendo de antemão que nenhuma das duas sensações iria me deixar para a outra, e a travessia continuava sobre a água barrenta, e eu imaginando cair na água, para nunca mais, ser comida de peixe, virar totem, virar lenda, enfim, cair na correnteza opaca para nunca mais ser achado, nunca mais, nevermore,* diz um poema.

***

Texto: Darlan M Cunha

Foto: MJMC

povo povaréu plebe massa cidadãos gente

A orquestra esquenta o MERCADO

“Todo artista tem de ir aonde o povo está / Assim sempre foi, assim será…” *

***

 

     O povo diz: Se o diabo mora nos detalhes, vamos a eles, vamos ao demo em sua postura de não deixar para depois o que pode e deve ser feito hoje ainda, porque o diabo sabe o que diz, sabe onde o lucro, cansado de baratas tontas, ele inflete sobre íncubos e súcubos, bota a viola no saco e se manda. Isso é o que o faz diabo, e isso faz toda a diferença.*

     Eis o povo em construção, em toda a sua pseudo-majestade, sua gama de sensações, seu varal de roupas multicores, o cinza dos dias e a cinza nos pulmões, ei-lo contando os caraminguás, ou seja, seus trocados, feliz da vida, musical ele é ao extremo, cai no frevo e ferve no samba feito um pacote bêbado.*

     Quando o rio transborda, quando sua água se acelera de tal forma que se parece com um corredor de cem metros rasos, é quando o povão gosta de ir até a ponte, e ficar por lá durante horas, vendo a correnteza levar tocos, galhos, pedaços de muros, vacas, gente, levar seu pensamento enquanto mastiga um sanduíche e bebe o trago de sempre sobre o piso suspenso sobre a correnteza. O povo ama a velocidade das águas, a ferocidade delas, e a própria.

     O povo em construção, constituinte de boca aberta, esperando a morte chegar,* o presidiário de sempre, desde os primeiros tempos, por isso é preciso estar atento e forte.*

 

***

Texto e foto: DARLAN M CUNHA

86 anos

MERCADO CENTRAL, 12-12-2017

Felicidades muitas, Dona MARIA JOSÉ

***

     Dona Maria José sempre foi elétrica, incansável, mesmo aos 86 anos completados hoje, dia 13 de abril de 2018, mesmo tendo tido dez filhos, com treze netos e netas, dezesseis bisnetas e bisnetos e duas trinetas, nos EUA. Sempre diz que o dia deveria ter 25 horas, mas ela logo iria querer os dias todos com 30 horas, ou mais, hehe…

     Digo que me canso só de ver a Dona Maria trabalhar, porque quando não há serviço ela inventa. Faz croché, tricô, pintura a óleo, costura, borda, está sempre fazendo bolos, biscoitos, tortas, doces, sempre levando um pouco para a vizinhança – ato raro. Não tem pingo de maldade nem de malícia. Sempre ensinando as netas e as vizinhas que querem receita tal, mas ela faz tudo é “de cabeça”. Uma graça a Dona MARIA, que é o verdadeiro esteio de toda a família. Vive cantando, e eu a acompanho de vez em quando, no violão.

     Não abre mão de ir à igreja. Um dos pratos preferidos é quiabo com moranga, angu e carne moída – bem tradicional mineiro. Também não abre mão dos queijos, mormente o queijo Canastra, o queijo do Serro, etc.

     No espaço de um ano e dez meses ela perdeu três rapazes, dois afogados em lugares e datas diferentes: Múcio, 29 anos; Eduardo, 23 anos; Heber, 33 anos.

     Há quatorze anos (2004) abri para ela uma página no MUSEU DA PESSOA, onde conto a trajetória de sua vida, desde o nascimento, casamento, etc. Modesta, viajou por vários países, com a ajuda de filhas, netas, nora, filhos, genros, etc, tendo ido, por exemplo, à Jordânia, Israel, aos Emirados Árabes Unidos (Dubai), Paraguai, Argentina, EUA, etc.

AQUI: http://www.museudapessoa.net/pt/conteudo/historia/maria-jose-matos-cunha-e-o-seu-entorno-magico-40077

***

MIL E UMA FELICIDADES, Dona MARIA JOSÉ

Texto, site, foto: DARLAN M CUNHA

folia

e tome PISTON....JPG

O Mercado Central nos 120 anos de BELO HORIZONTE (12 dez 2017)

***

 

     Já ouvi e já contei histórias inúmeras no Mercado Central de BH, o qual foi eleito pela população como sendo “A cara de BH”, concorrendo, por exemplo, com a internacional Pampuha, a Praça Sete, o imenso Parque das Mangabeiras, o Mineirão, etc.

    Mas vamos a outros pontos ou a outras paragens, opiniões, divergências, gargalhadas, choros, desejos reprimidos (tantos !). 

     Pelo menos uma vez por dia deixe a boca de lado, racional, porosa, previdente, e fale com o coração, pelo menos uma vez por dia chute os baldes e execre o que se acha são, batendo a porta na tua cara e nas caras do entorno. Ó, miséria pouca é bobagem, diz o povo, mas o povo não sabe de nada, só ri, ri até cair e ficar por aí, com dor nas costas, cefaleia, dívidas.

    Lembra: enquanto dormes, coisas acontecem, fendas se abrem, mas a felicidade luta.

***

Foto e texto: DARLAN M CUNHA

ARTE & DITOS POPULARES

AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVESAeroporto Internacional Tancredo Neves – CONFINS-BH

***

 

     Querer é poder, diz o ditado popular. Quero melhorar minha estrutura, mas vários fatores atuam contra tal premissa, tal vontade, sendo que o fator principal contrário a mim sou eu mesmo, além da família, da rua, do bairro, da suicidade, do país e do mundo, isto sem contar com o inexistente paraíso.

     Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura, outro dito popular. Às vezes, sinto que sou água, água limpa, água salobra, água de aquífero, água de cenote (México), e por aí vai minha agonia (pra mim basta um dia, não mais que um dia, um meio dia…, diz uma antiga canção do Chico); porém, às vezes, sinto-me como uma pedra, aquela sem rumo, estagnada, servindo de pouso a lagartixas, cobras, aves, homens. Fico indeciso sobre qual partido tomar, ou se fico bissexual.

     Guarde o que comer, mas não guarde o que fazer, velho dito popular, carregado de suor de muitas gerações. Minhas avós eram mestras, e minha mãe, às vésperas dos 86, sempre me passa sabedoria e “pitos”, hehehe.

***

Texto e foto: DARLAN M CUNHA

 

 

Surubim

Surubim

Surubim= pintado, moleque, loango, brutelo e cachara

***

 

     Quando estou nervoso, vou espraiar na cozinha, romper correntes sociais, matar saudades seja lá de que tipo forem – de amigos e amigas que se foram, alguma cidade, algum livro, uma canção, um rio ou um riacho, alguma viagem imprevista que tenha se tornado marcante, enfim, sempre há uma lembrança dentro da gente.

    Quando estou nervoso, abro o verbo, digo que estou com a macaca, que odeio gente em geral, que desprezo qualquer tipo de religião, filosofia barata, sonho comigo batendo bolsas e carteiras, rindo de velhos e jovens, colocando pregos debaixo de pneus, pondo escorpiões nos sapatos alheios, mexendo com a mulher do próximo, enfim, o cão.

     Mas sou bom garoto. Perguntem à minha mãe – que comeu comigo este surubim que preparei nesta linda panela de pedra, uma peixada com azeite, cebola, pimentão, batatas, coentro, salsa, tomate e azeitonas.

***

 

Foto, peixada e texto: DARLAN M CUNHA

 

N. S. do Rosário – Santa Bárbara, MG

Nossa Senhora do Roário dos Pretos

SANTA BÁRBARA, MG (na praça ao lado da minha ex-casa)

***

 

     Já faz muito tempo que perdi a fé no que quer que seja – menos na amizade, que é uma construção humana digna de ser preservada, embora que nesses tempos de se ir e vir sem que se olhe para o vizinho as coisas ficam complicadas. Mas vamos em frente, que atrás vem gente – diz o ditado popular. Esquecer o celular, e de frente conversar.

Darlan M Cunha

cotidiano 2

DSC02049

***

images

pre.univesp.br

 

 

 

 

***

       O verbo murar está na moda, muito embora sempre tenha deixado suas pegadas na história, como os fossos e as pontes levadiças dos castelos medievais, a suicidade de três risíveis donos, a muralha da China, a muralha de Trajano e muitas outras barreiras ainda mais antigas, bem como as fortalezas japonesas da era dos samurais, nas quais, mesmo se o inimigo conseguisse entrar, após ene peripécias, dificilmente sairiam vivos dos labirintos e seus truques contra invasores. No tempo do homem das cavernas, é de se pensar que os morcegos tenham sido treinados para cuidar do sono dos inquilinos do momento, abrindo seu sonar ainda primitivo, gritando feito malucos, caso alguma tribo tentasse invadir a toca de seus amos, e assim por diante (depois o som dos morcegos tornar-se-ia inaudível a nós). Sabemos que os muros sempre tiveram simpatizantes, por esta ou por aquela razão. Pensando nisso, cada qual constrói para si e, muitas vezes, contra si, verdadeiros baluartes, dos quais nunca mais escapam. Beco sem saída é coisa de gente, é um ovo muito antigo. Ah: os castores, entre outros prevenidos, constroem fortalezas ou barragens, modificando rios, pelo que não estamos sozinhos no afã de construir muralhas muros paredes grades cercas redes labirintos becos abismos e túneis de fuga. Muro, no melhor dicionário de um idioma inexistente, significa ilusão de segurança. Tanto é que todos os dias muitos veem cair o grande muro que os separa da demência total: o emprego. E agora, José ? Há muitas obras sobre tal assunto, mas essa crônica me basta. Entre les Murs. Border Walls. Murs, voyage le long des barricades. Os Muros que nos Dividem. The Wall. Wall Street. Father and Son... De uma forma ou de outra, todo conceito tem germe mural.

*****

Foto e texto: Darlan M Cunha

Duas imagens trazidas da INTERNET:  mundo geografia  //  pre.univesp.br