Cismas e sismos da minha aldeia – 7

acidente caseiro. antebraço esquerdo

acidente caseiro, antebraço esquerdo

***

     Na minha aldeia há um só idioma, resultante da mistura de outros, banidos. Surdo, cego e mudo eram os idiomas, melhor, os dialetos que viviam surrando-se entre si, destruindo num dia o que no dia anterior se erguera. Após muitas baixas, certo grau de razão, muito pelo fato de que já não nasciam crianças, porque presas fáceis para o rapto, serviam de fonte de renda para os de idiomas rivais. Cegos surdos mudos.

     Na minha aldeia não há crimes, não há classificação nem mesmo na nossa Botânica, e nada de gente feia ou bonita. Aqui, a história da feiura e a história da beleza não têm vez, nossas livrarias não vendem estes livros do Umberto Eco. Aqui, onde cismas e sismos estão a postos, somos durões e duronas, cientes de que a vida é um corte sem sutura, de que é preciso estar atento e forte.

***

foto e texto: Darlan M Cunha

Anúncios

sermos

viejos_comiendo_sopa

Francesco GOYA. Viejos comiendo sopa

*

     O que se pode notar é que ouvir está cada vez mais difícil, sempre foi difícil ouvir – a não ser entre monges que só ouviam a voz dos superiores, naquela monotonia infame em nome de deus, de alá, buda, shiva, zeus e tantas outras invenções, espertos ou beneficiários dos parvos e puxa-sacos. Sim, a humanidade é mesmo uma piada imensa. Melhor dizendo, ela foi, porque está irremediavelmente acabada, os dias são de chumbo, as noites têm o nome de insônia. E me lembro de Humberto Eco, em seus livros História da Beleza, e História da Feiura. Mas me lembro dele ainda mais, e me rio, quando disse que a Internet deu voz aos imbecis. Leiamo-l0 no original: – I social media danno diritto di parola a legioni di imbecilli”.

     Mudando de assunto, mas dentro da visão larga do mundo, uma coisa boa é ouvir certas palavras que a gente NUNCA ouviu, ou que há muito tempo já não as ouve, ou das quais não se faz a mínima ideia do significado delas. Por exemplo, na semana passada, eu estava na pequena cidade de Rio Acima, que faz parte da Estrada Real, em MG, e ouvi e participei de uma conversa engraçadíssima, não programada, a qual muito versou sobre o mundo das palavras, apesar de que muita gente sabe que palavras são palavras – dizem pouco. Porém, vamos a elas, às palavras de todo tipo, que nós, todos ali analfabetos ou quase isso, não nos cansamos de colocar para fora, entre risos e gargalhadas, sim, foram pérolas e diamantes tantos que repito aqui algumas delas:

– bandalha, tarugo, sânie, fuzuê, biba, tinhoso, sapé e sapê, sururu-de-capote, estrovenga, pinoia, garatuja, mafuá, chupim, bem-acabado, finório, repto, rapto, craca, croia, zâmbio, perlonga, estafeta, moital, sirigaita, iracúndia, facúndia, ripa, calipígia (mulher de bunda grande), inhaca,  genuvalvo, circunciso (judeu), tacho, nas-mãos-de-deus, amásio… Ah, e foi uma fieira enorme de termos graudos e miudos, com pinga, cerveja e ótima linguiça.

 

Texto: Darlan M Cunha

VISITE: nonada