formas

DSC01848

pé-de-moleque

*

     As fotos nas estantes absorvem minha presença, absorvo suas falas, seus gestos ama- relados, algumas delas com pintas como se gotas de ácido as tivessem atingido, mas isso não importa. Uma foto maior mostra sobre uma grande mesa, coberta por uma toalha rendada, o rosto da família, o corpo da alegria em forma de biscoitos, pudins, bolos, doces, pães, café, leite, sucos de frutas, broas, pastéis e um grande bolo centralizando a data. Velas em riste. Preto no branco, as fotos exibem meu rosto nos rosto dos convivas.

***

foto e texto: Darlan M Cunha

Domingo pede cachimbo ?

Pés calejados, Nova Canaã, BA, 1998.

by EVANDRO TEIXEIRA (Brasil)

*

     O que mais se pode dizer que representa de modo mais claro o que entendemos como o lado mau do mundo ? Deve-se levar em consideração os altos e baixos passados pelo céu da boca, como os verbos fingir e atingir, o adjetivo feioso, todas as aféreses e as apócopes implícitas no substantivo Tempo, sempre te encurtando, o pântano social analisado sobre a mesa com gráficos não raro indecentes (der Grüne Tisch) ? Quando clicas, és desviado, manejado, inserido sutilmente noutro contexto de compra e venda, sim, quando clicas, és fichado ou fixado e perseguido por uma polícia muito especial – só tua. Compreenda.

     Os pés doem mais do que se pode suportar, é preciso ir, porque ir é o melhor remédio, a (r)evolução depende de outras realidades. Já agora mesmo veio-me o que diz uma música: é um estrepe, é um prego, ou o que diz um poema: que se morre de velhice antes dos trinta, ou o que nos diz a escritora: sem o outro não temos como ser egoístas.

***

Texto: Darlan M Cunha

Trechos extraídos de Tom Jobim, João Cabral de Melo Neto, Viviane de Santana Paulo

olha // looks

windows-of-buildings

Windows of buildings

*

     Senhoras e senhores, o sarcófago está pronto. Urge ocupar cada qual seu lugar e cantar para espantar os males, como se diz – essa cova em que estás, com palmos medida– cantar o sismo e a cisma diária que o condomínio-esquife oferece aos seus ilustres anônimos, toda a poesia e toda a heresia do mundo habitam esse túmulo, a sátira, o sexo furtivo, o maldito fator de gente fritando sardinhas no 402, rock pesado no 901, beijos e tapas no 1002, no 204 e no 604, alguém pendurado/a no blá blá blá do telefone esqueceu uma janela aberta no 800, e a criança fugiu.

*

Imagem: GettyImages. Arnd Dewald

Texto: Darlan M Cunha