A insustentável leveza (peso) de ser

O AR EM SEU ESTADO NATURAL – Textos sobre letras do CLUBE DA ESQUINA,

ANDA, UMMA, MÍNIMOS CONTOS ORDINÁRIOS, ESBOÇOS E REVESES: O SILÊNCIO

*****

 

     Deixe para atrás toda esperança todo aquele que por essa porta passar. Esta advertência terrível está na Divina Comédia, de Dante Alighieri, e eu, que não creio em castigos celestiais e infernais, não queria não quero não quererei estar na pele de quem atravessou o portal do inferno, se não por nada, é que já houve quem disse que o inferno somos nós (Jean-Paul Sartre).

     Bom, voltanto para Gea – Terra -, ao cotidiano de ralações, danações, mandingas, risos e riscos, amanhã, para a estreia do Brasil na Rússia, prepararei arroz vermelho, qual seja, com urucum (Bixa orellana) legítimo, e não o coloral que se compra em todo lugar; também uma salada de milho verde, palmito, almeirão, alface crespa, tomate-cereja, azeite, limão capeta. Piramutaba ou surubim, de cujo caldo farei pirão, e batatas cozidas inteiras. Bom, o santo pede, e a vodka com água de coco fará presença. Sem esnobismo, digo, porque essa atitude não faz minha cabeça, não é para mim, mas de vez em quando a gente pode e deve sair dos trilhos, como diz a minha vizinha Anísia, a bela.

     Quanto aos livros mostrados aí acima, foi uma luta insana, mas agradável. Meu novo livro está quase pronto. Depois, vem a insônia para encontrar Editora, conversar sobre prazos, preço, mais insônia… hehe… Tenho mais o que fazer do que escrever livros, mas se não o fizer, O GRANDE VAZIO me pega.

 

*****

Fotos e texto: DARLAN M CUNHA

VISITE-ME AQUI:

https://paliavana4.blogspot.com

https://www.poemhunter.com/darlan-m-cunha/

https://www.flickr.com/photos/aqui-o/

https://www.youtube.com/channel/UC5aO6QUoH33Di3Bf_ZlC7gg?view_as=subscriber

https://www.escritas.org/pt/n/l/darlan-de-matos-cunha

https://pt.scribd.com/user/21120219/Darlan-M-Cunha

Anúncios

Aviso aos navegantes voadores desligados

Arco-íris infantil

 

arco-íris infantil

 

@1

     É preciso saber o que se diz e como se age diante de crianças, porque elas percebem fundo, (a)notam quase tudo. Minha infância no interior de Minas foi muito boa, embora com uma e outra ressalva, porque viver é lutar para impôr ideias e hábitos, isso e aquilo ao Outro, independendo de idade e do grau de ligação entre as partes.

@2

A melhor coisa do mundo
na casa do menino maluquinho
era quando ele voltava da escola
 
A pasta e os livros
chegavam sempre primeiro
voando na frente
@3

     Ontem, aqui em casa se fez pé-de-moleque, e a infância voltou com força total pelas

lembranças dos pés-de-moleque forrando ruas das cidades históricas, sendo que morei

numa delas: Santa Bárbara, a 100 km de BH, ou seja, o calçamento irregular é chamado

de pé-de-moleque, como se as pedras fossem os amendoins colados na rapadura.

 
     
***
Texto e foto: Darlan M Cunha
OBS.: O texto @2 é do livro O MENINO MALUQUINHO, de ZIRALDO ALVES PINTO

Guerreiras D

DSC05582.JPG

Bar do BIGODE – bairro Prado, BH

 

     Eis a couve, retalho da terra que sobre o balcão se debruça, à espera dos toques de amor de uma faca guerreira. Eis o ambiente no qual os odores se mesclam e atiçam as criaturas: couve, alho, cebola, coentro, salsa, azeite, vinagre, pimentas, maionese, ovos, bifes, a enorme panela onde o arroz flutua ou dança sua dança do cisne, eis a conversa, o riso, café com pastel e pão de queijo, pão com salame, a cachacinha sagrada para ir à luta, operário começar o dia, o vinho para a bela executiva executar o que tenha que ser feito, e assim os dias e os trabalhos. Eis o norte de cada um, o sul, o leste e o oeste; eis as latitudes e as longitudes, lua cheia e morna, sol a pino, solstícios de verão e de inverno, eis o Homem no afã de melhorar, custe o que custar. Ecce Homo, Nietzsche escreveu.

 

Foto e texto: Darlan M Cunha

Guerreiros C

Pedro, no quarto maior

Pedro, pedreiro (sem esperar o trem), e o Pêndulo de Foucault

 

     Poeira, vestígios de sua presença, de sua irritante persistência, mas são os ossos do ofício que um pedreiro assume todo dia, mas ele não deixa de sonhar com uma banheira, embora nada o toque mais do que estar na escada ou espremido entre um vão e o perigo, o pincel, a broxa e o prumo não podem tremer, e no chuveiro é preciso ter atenção, o choque não brinca, e assim o sábio desliga a chave geral, por bem ou por mal, voltar para casa é o ideal de Pedro

     pedreiro, mas pode me chamar como quiser, nunca de Nada À Esquerda, tenho brios, caráter retilíneo, Pedro, nada tenho de João Teimoso, aquele boneco indo pra lá e pra cá, como o pêndulo de um relógio ou, por exemplo, o pêndulo do cientista Foucault.

     Meu amanhã é sempre feito de ligas, batidas (poeira sutil) e medidas, mas a obra toma corpo, e alguns passantes param diante da obra que se abre em leque para a rua, sim, em breve eles e elas terão vizinhança nova.

 

Foto e texto: Darlan M Cunha

 

Os Inconfidentes / As Noites / Os Alergologistas

1 7zZuP84TRa-5TjIuPrTbEg

A Devassa da Devassa:* O Riso (Quem ri primeiro…)

*****

@1.

     Como não é de praxe perguntar o indevido, pergunto: quando teremos todos nós 21 dedos, para talvez melhor darmo-nos conta do alheio ? 21 é um jogo de baralho ? Ó, 21 é feriado nacional originado na inquieta Minas, onde um punhado de pessoas sigilosas, de profissões e interesses muito diversificados, se reuniram para o grande avanço, tentando um basta à gula da Coroa, pois o mundo sempre teve gente dinâmica ou utópica assim, taciturna, revoltada, algo ciente de seus deméritos e inflexões, quanto das armaduras, de sua visão quiçá social, e assim é que, como diz a canção Coração tranquilo: Tudo é uma questão de manter a espinha ereta.*

@2.

     E a noite não rompe as horas, quase morta, estagnada, é algo assim como um burro empacado diante de um mata-burro. Sofres tua insônia de modo diverso de quem sofre sua clarividência, ou demência, enfim, todos querendo diálogo com o sossego.

@3.

Falando em alergia… pólen. Conheço uma menina que, pelo método seguido pelos pais, come flores diariamente, embora não só de flores viva o Homem. Lembra.

@4.

“Todo mineiro é conspirador”, publiquei em livro.

 

*****

Imagem: Internet: 1 7zZuP84TRa-5TjIuPrTbEg.jpeg

Texto: Darlan M Cunha

Arqueologia, e a sensação do primeiro livro

FIGURAS RUPESTRES ENCONTRADAS NAS CAVERNAS DA REGIÃO DE LAGOA SANTA

Pinturas rupestres encontradas na região de Lagoa Santa, MG, Brasil

*****

 

     Nunca se esquecerá da sensação sufocante ao receber em casa os exemplares de seu primeiro livro, sufocante teor de alegria, pasmo, trêmulo, ali estava diante daquilo que tantos veem como sendo “um filho”. Bebeu um trago e deitou-se já sem peso, e não havia ninguém no mundo, só ele e as pessoas que lhe haviam povoado o imaginário, e todos estavam longe, embora do outro lado da rua, ele os alijara para poder pensar em algo ou em nada, um pouco sobre o fato de estar vivo, pendente para um lado ou para outro lado, bem ou mal, claro ou escuro, e lembrou-se da música A Flor e o Espinho,* pelo que se vê que há marcas mais duradouras do que a marca no couro de bois e vacas, e a razão pela qual as garotas não se esquecem do primeiro sutiã e nem da menarca. Assunto não falta ao imaginário, à memória, e assunto não falte ao errante violeiro.*

 

*****

Foto e texto: DARLAN M CUNHA

ESCRITAS: https://www.escritas.org/pt/n/t/59099/tua-vez

Ser ou ser

DSC02326

Hay gobierno? Se hay soy contra!

***

 

     Casou-se bem jovem, teve quatorze filhos e filhas, por duas vezes nasceram gêmeos e gêmeas. Doce pessoa. Fora do casamento, o pai teve filho e filha, psiquismo exacerbado, cérebro convulso, pinto bailarino, benfeitor de domésticas, inquilino das nuvens, totem. Teria de ganhar bem para amparar essa multidão. Bendito seja o fruto do vosso vento.

     Gosto de chutar latas de lixo da cidade, chutar vira-latas, pôr guizos no rabo de cães e gatos, pois é bom vê-los desesperados pelas ruas, fazendo barulho ao arrastarem latas de sardinha, enquanto me encrenco com panacas, sintonizando alto o som, no velho estilo de sexo, droga e rock and roll, sim, sou do contra.

     Hay gobierno? Se hay soy contra!

     Domingo pede cachimbo, diz o dito popular, sendo também o dia nacional da macar-ronada com frango, e de futebol visto de cima ou de dentro do velho sofá.

Leiamos Clarice: “Eu era talvez a primeira pessoa a pisar naquele castelo no ar.” *

***

 

Foto e texto: DARLAN M CUNHA

 * citação: CLARICE LISPECTOR. A Paixão Segundo GH, p.127

o visível e o invisível

gente-formiga 2

Pampulha, BH

*****

 

       Da cidade de Zirma, os viajantes retornam com memórias bastante diferentes: um negro cego que grita na multidão, um louco debruçado na cornija de um arranha-céu, uma moça que passeia com um puma na coleira. Na realidade, muitos dos cegos que batem as bengalas nas calçadas de Zirma são negros, em cada arranha-céu há alguém que enlouquece, todos os loucos passam horas nas cornijas, não há puma que não seja criado pelo capricho de uma moça. A cidade é redundante: repete-se para fixar alguma imagem na mente.

 

*****

Texto: Ítalo Calvino. As cidades invisíveis

Foto: Darlan M Cunha

preto no branco

PhotoFunia-1502356529

água, não mágoa

(Fotos das torneiras: Darlan M Cunha. Arte do photoshop: Photofunia.com)

*****

 

Um dia na vida de Ivan Denisovich é o título de um livro do escritor russo, prêmio Nobel, Alexander Solzhenitsin, que li há muito tempo, e que, não sei por qual razão, me ocorreu agora. A mente ou a memória nos prega poucas e boas. Essa foi boa.

Às seis da manhã, apoiado no parapeito de uma janela, bebo o café e observo um tipo vizinho derramar oceanos sobre o carro, tudo nele sugere despreocupação, mais ainda o vaivém inconsequente da mangueira, e eu fico pensando nas crianças e nas mulheres que em tantos lugares do mundo caminham quilômetros para buscar água.

 

*****

Texto: Darlan M Cunha

tapioca

DSC01957

à esquerda, com pesunto; à direita, com banana

*****

     – Vamos viver de brisa, Anarina.* Viver de brisa, foi como o poeta Bandeira escreveu. Enquanto a brisa não vem, deixemos de lado as casas com suas normas, armas, karmas, bravatas e gravatas, e vamos comer tapioca, pastel, pavê, pitomba, peru, peixe e o que mais houver. A brisa talvez venha. Talvez, porque o caráter do vento é duvidoso.

*****

cozinha, foto e texto: Darlan M Cunha