Say no to tobacco [trash]? As campanhas mentem, pois o cigarro é soberano, ícone. Queimem dinheiro, mas não culpem o glúten pelos males cotidiários… hehehe, y hasta la vista

008.JPG

EM CERTOS ASSUNTOS, RIR É O PIOR REMÉDIO, MAS… VAMOS LÁ !

Eu fumo e bebo e faço libidinagens e meto as mãos nos caixas desprevenidos e toco fogo nos adros (a madrugada nos torna descuidados com a fogueira amiga) e faço músicas de protesto e me desligo de entubados deixados ao seu bel-prazer e uso palavrões antes e depois de cada frase e urino nas pias, sim, mas ainda me faltam outras rotas para chegar à rota da seda

(You say yes  //  You say no … You say goodbay // Y say hello…)*

(Lucy in the sky with diamonds)* 

BEATLES

olha // looks

windows-of-buildings

Windows of buildings

*

     Senhoras e senhores, o sarcófago está pronto. Urge ocupar cada qual seu lugar e cantar para espantar os males, como se diz – essa cova em que estás, com palmos medida– cantar o sismo e a cisma diária que o condomínio-esquife oferece aos seus ilustres anônimos, toda a poesia e toda a heresia do mundo habitam esse túmulo, a sátira, o sexo furtivo, o maldito fator de gente fritando sardinhas no 402, rock pesado no 901, beijos e tapas no 1002, no 204 e no 604, alguém pendurado/a no blá blá blá do telefone esqueceu uma janela aberta no 800, e a criança fugiu.

*

Imagem: GettyImages. Arnd Dewald

Texto: Darlan M Cunha

um tiro no pé // tiro na literatura // nos guizos no rabo do cão // tiro pela culatra

 

IM000155.JPG

an old, sick guitarman // work in progress

i-dont-believe-in-zimmerman-john-lennon

I don’t believe in zimmerman (John Lennon)

*

          Há uma cançãozinha que diz eu avisei, eu avisei, se você anda errado você vai cair é nas malhas da lei. Em muitos casos, em todos os lugares do mundo, o fato é que há ondas que insistem em se manterem com a crista intacta, quase intacta, com uma pequena ajuda dos amigos, porque são muitos os que mamam na zebra e adornam estátuas tornadas totem e tabu, sentindo no fundo o braço da guitarra, em ré, e é por isso mesmo que tudo fazem para que o morto continue vivo, até porque certos mortos são amados por tipos populares os mais díspares: professores, jornalistas, etc.

          Eu também avisava, bem antes do anúncio no dia 13 de junho de 2007, em Oviedo, Espanha, na entrega do internacional Prêmio Príncipe de Astúrias. Mas onde estavas tu neste dia já sem nome e sem data ? Eu sei onde eu NÃO estava. Bom, o melhor é beber algo e tocar viola, ciente de que a resposta – the answer my friend – a resposta a tantas dúvidas não está em vento nenhum, em nenhuma boca certas questões encontram resposta, e não merecem nenhum crédito os que se acham filhos de Éolo (deus do vento na grécia antiga). Eu vou para a casa do Elomar; antes, uma passada na eterna moradia do Caymmi. “O mar, quando quebra na praia, é bonito, é bonito.”

*

Fotos e texto: Darlan M Cunha