olongocorredordoaprendizado

v

Mercado 1

Mercado Central de Belo Horizonte (1929), MG, Brasil

***

     Um dos livros através dos quais iniciei o aprendizado do idioma russo (33 letras) foi o da professora Nina Potapova, isso há décadas, numa representação cultural da Rússia, em BH, que ficava no edifício Rembrandt, na Rua São Paulo, região central. Lembro-me de ter ganho um relógio, num concurso feito pela modesta mas diligente instituição, e de tê-lo dado de presente à minha irmã Telma. O tempo fez o que sabe fazer, condenado a si mesmo, o espaço contraiu-se, para uns tantos, expandiu-se para o quase nenhum, mas eu continuo, o idioma russo continua (cinco ou seis idiomas sobreviverão), tu continuas, e enquanto não se descasca de todo a trama mundial, vamos ao mercado, ao lugar onde, segundo o poema do Bertolt Brecht:

Para ganhar o pão, cada manhã

vou ao mercado onde se compram mentiras.

Cheio de esperança

ponho-me na fila dos vendedores.

(BERTOLT BRECHT. Antologia Poética. Poema “Hollywood”)

***

foto e crônica: Darlan M Cunha

Onde os queijos não marcam ponto

Mercado 4

Mercado Central de Belo Horizonte

***

     Fui ao mercado comprar geléia de mocotó, pimentas variadas (tem até indianas, mais quentes do que a mansão de Belzebu), farinha de rosca, cachaça, queijo canastra de São Roque de Minas (compro também de outras cidades), e camisetas com motivos mineiros.

     Feito isso, fui ao Bar do Mané Doido – quase tão famoso quanto o próprio mercado no qual atende – e, entre umas e outras, petiscos preparados na hora, ouvi uma palavra que havia muito tempo eu não a ouvia. Sururucar tanto significa peneirar grãos, quanto rebolar, menear, saracotear, gingar. Pois é. Imediatamente, lembrei-me de uma palavra semelhante, que não consta do dicionário (não encontrei), mas ela está no livro Maíra, de Darcy Ribeiro, e a palavra é sururucucar, se não me falha a memória.

    Aí, entre outras e umas, risos, petiscos & lambiscos, palavras amontoaram-se em torno da mesa e, sem pedirem licença, entoaram sua voz, e ouvimos abisntestado mocorongo gusano nédio absconso carraspana edil bacabal estróina tinhoso cerúleo abespinhado abio sacripanta sastre sacarrão poltrão estrupício e estropício miasma ningres-ningres nênia calipígia… até que um alarido ecoou e me alertaram quanto à esposa-que-não-tenho me chamando em altos brados pelos corredores cheios de sons, cores e odores, e ela (presumo) com vestido de chita, rodado, rolinhos na cabeça, olhos injetados, varizes e sabe lá o diabo o que mais. Escapei de boa, por pouco, como se diz em latim: Paucas sed bonas.

***

foto e crônica: Darlan M Cunha

ateus & enteus – 1

photo(5).JPG

giro: Jordânia, Israel, Emirados Árabes Unidos

*

     Quando jovem, tosquiava rebanhos inteiros, a disposição não elegendo bandeira, longe das aflitivas aceitações com as consequentes deformações da própria vontade, da mente e da carne, da visão do mundo. Quando jovem, fez ouvidos moucos à ditadura da fé, pisando no rabo da cobra cristã, no urubu muçulmano, no corvo judaico, na quinquilharia budista, no insosso do xintoísmo, na ilusão janista, na aridez da mais-valia, e assim por diante, enquanto jovem, praticava, sem ter ideia disso, com os fungos do amanhã. Adulto, montou um mosaico com os mesmos parâmetros de atuação, todos trazidos para os dias de hoje, quando suas cãs refletem a mesma luz de quando começara a tosquiar enganos vendidos a granel e no varejo. Ainda hoje, não troca uma moeda por nenhum deus – sequer deus grego, bichos do olimpo.

***

Texto: Darlan M Cunha

Foto: MJMC // Nancy