cda & dmc

cda, sem óculos

Quando me roubaram os olhos, pensaram que eu iria desisitir de ver e analisar, pensaram, com todas as forças ocultas que possuem, que eu assentar-me-ia à beira da estrada, só cantando lamúrias, vendo mulheres passar pra lá e pra cá, cada qual de braços dados com a sua febre, ora, ledo engano, porque, assim que me arrancaram os olhos, eu apenas os perdi, mas não perdi a capacidade analítica – que é justamente o que os atormenta, e um certo Carlos também sabia disso. Ora, todos os nomes e sobrenomes, toda a história da beleza e toda a história da feiura não são capazes de travar pensamento nenhum, advindo de quem quer que seja; e assim é que aqueles que me furtaram as íris estão em sérios apuros, uma dura luta dentro deles se desenrola como um caracol malvado sempre medrando de modo irreversível dentro deles e delas que me tiraram os olhos, ora essa, eu sou como um lagarto que pode regenerar uma perna perdida, ou o rabo deixado a algum predador, sim, meus olhos já estão de novo nascendo, cada vez mais limpos da sujeira geral.

Texto: DARLAN M CUNHA
Foto trazida daqui: http://twitpic.com/6sfwnj
Anúncios

2 comentários em “cda & dmc

  1. Daniel Brazil disse:

    Belo post, Darlan!

    Curtir

  2. uaíma disse:

    Fico-lhe grato pela visita e pelo comentário, Daniel. A Casa é sua.

    Darlan

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s