surtos

Lugar de surtos, derrotas, também de revivência. Está tudo aí.
****

Ada Salas é uma poetisa espanhola de escrita delicada, curta, ciente de que metáforas em excesso, varejo e atacado, sujam um texto. Encontrei-a por mim mesmo, há anos, e fiquei, de forma a visitá-la de quando em vez. Seus livros recebem títulos de constância suave, e algo enigmáticos: Lugar da Derrota, Variações em Branco, A Sede, Isto não é o Silêncio, entre outros. Um poema:

A qué región me llegaré a buscarte
ahora que reposas a mi lado
en forma de deseo
hombre
cuya belleza apenas
conocía. Cada día me ciñe
su cilicio de ausencia.
Me has herido de vida desde toda
tu muerte

y no hay sueño bastante a tu vacío.

*****

@2 Um lugar de derrotas, mantidas como se fossem vitórias é este, a cidade, com seus troféus de estrume, barro, gesso, capim, por fim, só palavreados, é este o lugar onde todas peças do tabuleiro fingem ignorar as outras, embora interligadas, sem outro modo de viverem sua alegria, sua angústia, seu ritmo cada vez mais infrene. ?A qué región me llegaré a buscarte? Onde procurar o tono exato, a cor mais em conta para a tela que para nós ambos preparo, um visgo que fixe melhor na superfície e no fundo o intento meu ?

***

Foto e texto: Darlan M Cunha

Poemas de ADA SALAS (Espanha, 1965 – ) : http://aullidolit.com/ada-salas-poemas/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s